Duda Brack
Foto: Reprodução / Youtube
 

E continuamos com a série incrível de lançamentos da gaúcha Duda Brack. Após “Pedalada” e “CONTRAGOLPE”, a cantora lançou, com contribuição do grupo percussivo Os Capoeira, a nova e provocante “Toma Essa“. “Vai ser se eu tô dançando em outra festa”, canta no refrão.

O clipe, uma obra à parte, conta com a direção da própria Duda e de Ana Campos e Rebeca Brack. É impossível não citar a participação emblemática de Ney Matogrosso, que, dentro do universo do vídeo, é o dono de uma boate. A história acompanha a personagem de Duda, uma dançarina que acaba de sair de um relacionamento tóxico. As coisas esquentam quando o “boy” vai à boate em busca da protagonista.

O vídeo ainda termina com a mensagem “a saga continua”. Vale citar que seu novo álbum tem previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2021. Será o sucessor do elogiado É (2015). Estamos atentos!

 

Gavi e Gabriela Brown

Gavi e Gabriela Brown
Foto: Lucas Pontes

As cantoras capixabas Gavi e Gabriela Brown juntarem seus evidentes talentos em uma aclamada colaboração. O resultado se chama “Beija-Fruta (O Sexo)“, canção criada com o intuito de apimentar as relações românticas.

A faixa integra o EP 100 Dias e Contando, que recorda fases que Gavi viveu durante o período de isolamento social (e obviamente outras milhares de pessoas). Neste primeiro single, as relações interpessoais são o principal foco, traçando paralelos com libido, tédio e outras sensações que podem contribuir para a vida sexual de alguém. De acordo com a artista:

Quando escrevi Beija-Fruta eu disse pra minha equipe que a falta de libido tinha atingido diretamente meu trabalho, minhas composições, minha arte e que a gente tinha que colocar isso em todo conceito do trabalho.

Esse tema fica ilustrado com clareza e delicadeza no clipe oficial, dirigido por Gabs Hand. O vídeo conta com cenas que põem para reflexão temas como intimidade e insegurança. Como bônus precioso, ainda temos Gabriela, que lançou seu disco de estreia no ano passado, cantando versos em francês.

Confira abaixo:

 

DAY

DAY
Foto: Divulgação

A cantora DAY, um dos grandes nome do novo pop nacional, lançou recentemente a inédita “Não Gosto de Mim“. A faixa conta com a produção do coletivo Los Brasileiros e é o segundo single de seu primeiro álbum de estúdio, a ser lançado em 2021.

Com uma estética energética que em muito lembra o pop rebelde que foi mania nos anos 2000, a canção conta a história de um relacionamento tóxico. “Mesmo não fazendo bem, a pessoa está disposta a viver para não perder a pessoa amada. Mesmo sabendo dos riscos, vai atrás”, conta a artista.

Seu disco de estreia é aguardado ansiosamente por sua grande base de fãs. “Não Gosto de Mim” tem relações com o single anterior “Dilúvio” e promete traçar mais conexões com as demais faixas do álbum. Confira abaixo o clipe:

 

Unabomber

Unabomber
Foto: Divulgação

A série de singles da banda Unabomber está à todo vapor. Após os lançamentos de “João 8:32” e “Canoa Canoa” neste ano, a banda disponibilizou recentemente a novidade “Maciota“.

Na contramão dos outros singles citados, que apresentam claras críticas aos rumos da sociedade, temos aqui uma canção que traz consigo um olhar mais introspectivo sobre as relações humanas e suas não raras dualidades. “A música buscou refletir os altos e baixos das intimidades, às vezes calma, outras nervosas. Diferente dos trabalhos anteriores, neste buscamos uma perspectiva mais pessoal, menos direta e saindo um pouco da temática política”, explica o guitarrista Sandro Luz.

Apesar da evidente mudança temática, a base instrumental do novo single se mantém pesada, com forte inspiração no rock alternativo e referências claras do punk, post-punk e metal industrial.

O lançamento veio acompanhado de um lyric video, dirigido e editado por Gabby Vessoni. A adaptação audiovisual traz inspiração na estética das fotonovelas. Confira abaixo:

 

Siso

Siso
Foto: Doma 02 (Fábio Lamounier e Rodrigo Ladeira)

O pop inventivo de Siso ganhou um novo capítulo em seu recém-lançado disco homônimo. Sucessor de Saturno Casa 4 (2017), o novo trabalho é um convite para expurgar demônios, celebrar amores e provocar tiranos.

Sua experimental e curiosa sonoridade é fruto da união de referências musicais formada por nomes como David Bowie, La Roux e St. Vincent. Ao caldeirão de Siso foram adicionados temperos de synthpop, new wave, technopop, funk melody, reggaeton e afropop. O resultado final possui um gosto enigmático, porém elegante.

São 10 faixas inéditas, incluindo uma parceria com Julia Branco (“A Onda”) e uma releitura de “2h (O Baile)”, da banda Desgraça. Sobre o novo disco, Siso explica:

De 2016 pra cá tanta coisa mudou na estrutura da sociedade que tornou-se necessário falar do afeto, trazê-lo pra perto e analisar sua natureza dele, até porque são os afetos que movem a sociedade e podem ser combustível para uma reestruturação.

 

Yan Higa

Yan Higa
Foto: Divulgação

Com variadas inspirações, que passam por Milton Nascimento, Björk, Thom Yorke e Burial, o músico paulista Yan Higa disponibilizou o seu EP Sylum. O curioso título é derivado da palavra “asylum”, que possui conotações tanto para “manicômio” quanto para “asilo político”. Segundo o músico:

O titulo se remete à fuga do autoritarismo e à  turbulência emocional causada pelo isolamento social imposto devido a pandemia. Desta forma, o trabalho expõe uma narrativa semifictícia que aborda o processo adaptativo humano perante o colapso dos relacionamentos.

Somando ao cuidado na produção musical, Sylum também conta com grande trabalho visual. A capa do EP foi produzida a partir de uma colaboração com o escultor japonês Tatsuya Horimoto. Além disso, foi disponibilizado um clipe para a “faixa bônus” “Test Subject” que complementa a narrativa apresentada pelas sete canções.