Arnaldo Baptista rifa icônico casaco vermelho
Divulgação
 

Sempre ouvimos falar sobre o quanto é difícil a vida de músicos no Brasil, mas uma situação pela qual Arnaldo Baptista está passando é uma ilustração (infelizmente) perfeita dessa realidade.

O lendário ex-Mutantes está tendo que rifar um icônico casaco vermelho que o acompanha desde os Anos 60, quando a banda teve seu auge e chegou à Europa. Por lá, ele encontrou a peça pela qual se apaixonou instantaneamente — o mesmo aconteceu com outras lendas como Jimi Hendrix Mick Jagger, que usaram modelos bem parecidos.

No site oficial de realização do sorteio, Arnaldo escreve que a ideia é “garantir suas necessidades de manutenção da saúde e bem-estar”.

Ao que parece, é mais um caso de alguém que foi afetado com força pela pandemia e mais um exemplo de que como não somos capazes de cuidar da nossa cultura como ela merece, ainda mais se considerarmos que Arnaldo e sua obra são um patrimônio de valor imensurável para a música brasileira.

Arnaldo Baptista e o icônico casaco vermelho

Além de ter acompanhado Arnaldo em diversos momentos da vida, a jaqueta foi imortalizada durante o clipe de “Será Que Eu Vou Virar Bolor?”, canção que fez parte de sua estreia solo, Lóki?, em 1974. Ela também ficou eternizada na capa de Singin’ Alone, trabalho lançado por ele em 1982.

Você pode participar da rifa clicando neste link, e cada número custa R$50. O sorteio será feito quando a capacidade atingida for de no mínimo 80%, e tudo será divulgado nas redes sociais.

Vários fãs têm dito que irão deixar o item com o músico caso sejam os vencedores, e a nossa sugestão é essa para que essa peça histórica possa continuar com aquele que, sem dúvidas, tem mais apego a ela.

   
Compartilhar