Casagrande fala sobre Robinho e cita Milton Nascimento
Reprodução/Twitter
   

Ex-jogador e hoje comentarista de futebol, Walter Casagrande teve palavras duras a dizer sobre a contratação de Robinho pelo Santos.

Acusado de estupro e condenado em primeira instância pela Justiça italiana — ainda cabe recurso à decisão —, o atleta vem tendo sua contratação contestada até mesmo pelos torcedores do clube praiano, que acreditam que sua chegada se torna uma “mancha” na instituição.

Hoje mais cedo, o GE revelou com exclusividade trechos pesados do processo de Robinho, incluindo conversas em que o jogador revela acreditar em sua impunidade e confessa ter participado do crime.

Isso veio pouco depois do presidente do Santos, Orlando Rollo, afirmar que o atleta estava sendo vítima de “apedrejamento” por sua condenação não ser final na Itália; ele tem o direito de responder em liberdade e, de acordo com o mandatário, deve ser tratado como inocente por isso.

Revolta de Casagrande

Em participação no Globo Esporte da televisão, Casagrande falou sobre essa situação e aproveitou para citar outras “sacanagens” que vêm acontecendo no país, fazendo referência a uma canção de Milton Nascimento para explicar a sua posição em meio a tudo isso:

Eu estou assustado com a sociedade brasileira. Não é um apedrejamento do Robinho, é um apedrejamento da moral da sociedade brasileira. Não podemos inverter os valores. O Robinho está condenado a nove anos de prisão por violência sexual na Itália, está recorrendo, mas nesse momento ele é condenado.

Eu fico assustado com o que acontece no Brasil: o Brasil solta traficante, o vice-líder é preso com dinheiro na cueca, a Carol Solberg quis se manifestar politicamente e sofreu censura e o Santos contrata um jogador que é condenado por estupro.

Tem um trecho da música ‘Bola de Meia, Bola de Gude’, do Milton Nascimento, que diz assim: ‘Não posso aceitar sossegado qualquer sacanagem como coisa normal’. Eu não aceito. Eu não vou me calar. Eu sou uma voz, eu sou inquieto e não vou me calar perante esse tipo de coisa. Não estou preocupado com consequências em nada do que eu falo, porque eu estou falando fatos. Eu não estou inventando, nem estou atacando ninguém.

Eu acho que a sociedade precisa parar de aceitar sacanagem como qualquer coisa normal. É isso que nós estamos fazendo, aceitando sacanagem como qualquer coisa normal. Eu não aceito e me posiciono, não estou preocupado. Eu sou um dos muitos que tem voz de resistência, e a minha voz de resistência não vai se calar perante a um absurdo desses.

Você pode ver o discurso do “Casão” logo abaixo, bem como ouvir a música de Milton citada por ele.

 
Compartilhar