Donald Trump aprova negócio do TikTok
Fotos via Wikimedia Commons e Pixabay

Como te contamos por aqui recentemente, Donald Trump estava prestes a banir os downloads do aplicativo TikTok nos EUA.

A medida entraria em vigor neste último domingo (20), mas acabou não acontecendo pois, na última hora, a empresa chinesa que detém os direitos do app conseguiu chegar a um acordo com a norte-americana Oracle para manter suas operações no país.

Conforme conta a NME, o mandatário afirma que deu sua “bênção” ao novo acordo e garantiu que isso irá gerar 25 mil empregos para o país, além de fazer uma contribuição de 5 bilhões de dólares para um fundo de educação dos EUA.

A partir de agora, a Oracle irá armazenar todos os dados de usuários do país em suas próprias bases, além de oferecer sistemas adicionais para que tudo esteja dentro das normas de segurança dos Estados Unidos.

Outro parceiro no negócio é o grupo Walmart, que pretende desenvolver uma plataforma de e-commerce e pagamentos. Não foi divulgada informação sobre a possível venda do algoritmo usado pela rede social, algo que supostamente seria a intenção verdadeira de Trump com suas medidas.

Em um comunicado, o TikTok afirmou apenas que está “satisfeito” com a proposta que irá “resolver as preocupações de segurança da administração dos EUA”.

Donald Trump e TikTok

Com mais de 100 milhões de usuários no país, a plataforma foi acusada por Trump de “ameaçar a segurança nacional, política externa, e economia dos Estados Unidos” por supostamente guardar dados sensíveis dos clientes e compartilhá-los com a China.

O TikTok afirmou que no último ano tentou “engajar em boa-fé com o governo dos EUA para encontrar uma solução construtiva às preocupações que foram expressadas, [mas] o que foi encontrado foi que a Administração não presta atenção aos fatos, ditou termos de um acordo sem passar pelo processo legal padrão, e tentou se inserir em negociações entre negócios privados”. Justamente por isso, a plataforma entrou com um processo.

Não se sabe ainda se o processo seguirá na Justiça ou se agora a negociação entre as duas partes acabou de vez.

 
Compartilhar