Mark Mothersbaugh, do DEVO, de máscara
Foto por Robert Gauthier / Los Angeles Times
Ouça playlist com clássicos do Rock!  

Há alguns dias a gente comentou por aqui sobre como Mark Mothersbaugh, cofundador do DEVO, quase morreu após ser infectado com o novo Coronavírus.

Na ocasião, quem falou a respeito da COVID-19 foi a sua esposa, Anita, já que uma matéria deu conta de uma área nobre de Los Angeles que estava sofrendo com a falta de respeito de TikTokers famosos.

Em uma mansão onde três jovens com milhões de seguidores no app estavam morando, as festas e aglomerações não tinham fim, mesmo que até uma equipe da SWAT já tenha ido até lá e a prefeitura da mais importante cidade californiana tenha cortado a energia da residência.

Entre os moradores da área está Mothersbaugh, e sua recuperação inclusive foi prejudicada por conta dos vizinhos indesejados.

DEVO, Mark Mothersbaugh e a COVID-19

Agora foi o próprio quem falou a respeito do assunto em uma entrevista para o LA Times e Mark não mediu palavras para relatar sobre tudo que sofreu durante a internação hospitalar.

Entre sintomas mais claros como febre alta que não passava, Mothersbaugh teve alucinações e chegou a pensar que estava no hospital porque tinha apanhado, além de acreditar cegamente durante esse período que havia gravado um novo trabalho do DEVO:

Há uma livraria que eu amo onde eu compro as coisas de escritório, e na minha cabeça eu havia estado nesse lugar. Durante duas semanas eu acreditei que havia sido espancado com um pedaço de pedra por alguém em Little Tokyo.

Eu sentia o sangue da pancada. Eu estava algemado em um estacionamento no centro da cidade. Na minha cabeça havia uma história elaborada sobre como alguns moleques me venderam para uma empresa de ambulâncias e aí receberam algum tipo de pagamento por entregar pacientes com COVID para as suas UTIs. E eu acreditava em tudo isso cegamente.

As alucinações duraram cerca de duas semanas e Mark falou sobre como aquilo que a banda prega há quase 50 anos está acontecendo à frente de todo mundo.

Vale lembrar que “DEVO” é uma abreviação para uma expressão que o grupo criou, “DEVOLUTION”, querendo dizer que a sociedade não evolui, ela “desevolui”.

Após contrair o Coronavírus e ficar entre a vida e a morte na UTI de um hospital californiano, ele percebeu como é triste que as pessoas não estejam acreditando na doença:

Todo mundo está ficando mais desevoluído do que eu imaginava ser possível. A todos que estiverem duvidando sobre a realidade do Coronavírus, acredite, ele é bem real.

Infecção

A infecção veio em algum momento entre a sua casa e seus escritórios/estúdios na Sunset Strip em Maio.

Mark é dono de uma empresa chamada Mutato Musika, que trabalha com projetos de áudio para marcas, e em Maio teve contato com um grupo de pessoas que não conhecia por conta do trabalho.

Dias depois, passou a se sentir cansado com frequência até o dia em que registrou quase 40 graus de febre e, aos 70 anos de idade, viu uma enfermeira dizendo que ele precisava estar em uma UTI o quanto antes.

Segundo ele, as gravações de quatro trilhas sonoras que vinha gravando haviam sido canceladas por causa da pandemia, mas ao final daquele mês, ele teria se encontrado sem querer com pessoas que não sabia onde haviam estado, e foi aí que contraiu o vírus.

Ao final das contas, foram 18 dias em um leito de hospital onde Mark não sabia que horas eram, nem que dia da semana ou do mês.

No meio do processo, ele tentou se desconectar de todas as máquinas que o mantinham vivo e teve que ter braços e pernas amarrados, e durante chamadas de vídeo ao telefone com a família, ficava perguntando quem havia atirado uma pedra para machucá-lo no centro da cidade, conforme diziam as suas alucinações.

Em outro momento, a sua mente começou a levá-lo a lugares mais próximos da sua banda, e novamente ele acreditava em algo que não aconteceu, dizendo que o DEVO tinha gravado um novo disco e ele tinha idealizado um show com grande espetáculo que, inclusive, já vinha sendo apresentado nas ruas de Hollywood:

Nós ficávamos no topo dessas projeções, e elas cresciam de alguma forma.

Proximidade da Morte

Por fim, o aclamado músico falou sobre como teria chegado perto da morte, ressaltando a importância da comunicação com a família no processo:

Teve um momento em que eu simplesmente me sentia exausto. E eu pensava, ‘eu poderia simplesmente seguir o rumo desse rio agora, e seria algo realmente pacífico. Eu não me assustaria. Não teria medo. Eu poderia fazer isso.’ Eu realmente pensei nisso.

E aí Anita me ligou, e ela e as crianças estavam ao telefone dizendo coisas como ‘Você irá sair dessa logo. Sairá dessa máquina.’ E eu não sei se todo mundo tem a sorte de ter alguém fazendo isso enquanto está doente.

Se você tem alguma pessoa próxima que sabe que está na UTI com COVID, entre em contato em mantenha o contato dela com o mundo exterior, porque é fácil perder a noção de onde você está e por que está lá. Eu não fazia ideia de que havia sido entubado por 10 dias. O tempo não significava nada.

Vale lembrar que como publicamos na matéria original sobre o caso dos vizinhos barulhentos, a família de Mothersbaugh revelou que realmente acreditou que iria perdê-lo.

Recuperação

Mark está se recuperando e, aparentemente, os TikTokers até já foram embora da mansão.

Ele está tentando voltar ao normal aos poucos, e disse que o maior impacto que sentiu depois da recuperação é físico:

Antes da COVID eu pensava, ‘É, eu estou começando a me sentir com 50 anos de idade agora, e tenho 70.’ Quando eu estava no hospital, parecia que eu tinha 90 anos. E agora voltei aos 70, e meu objetivo é voltar aos 50.

 
Compartilhar