Quem vê Bruce Dickinson firme e forte no Iron Maiden hoje nem imagina que o cara já saiu da banda — e por um bom tempo. Mas como tudo aconteceu de forma tranquila, o vocalista e seus colegas de banda resolveram fazer uma baita festa para se despedir (por alguns anos) de Bruce.

Lá em 28 de Agosto de 1993, o frontman se sentiu muito acomodado com o sucesso do grupo, e resolveu explorar outras aventuras enquanto músico. À época, ele explicou (via Louder Sound):

Trabalho duro, caras legais, relativamente seguro, bem administrado. Todas as coisas [sobre as quais] as pessoas diriam: ‘Ei, esse é um trabalho consolidado’. Essa foi a minha vida no Iron Maiden. Eu pensei: ‘Não é o suficiente. Sou muito jovem para me estabelecer nisso.’

O anúncio veio pouco antes do início da Real Live Tour, na qual Dickinson aceitou cumprir todas as datas. A última delas, é claro, foi a mais especial de todas e ganhou até um nome: “Raising Hell”.

Neste show, a banda não poupou esforços para fazer um mega espetáculo, contratando mágicos e vários atores para promover uma verdadeira peça de teatro no palco. A parte mais legal, porém, veio ao fim. O mágico Simon Drake, depois de decepar mãos e muito mais, “sequestrou” Bruce ao fim de “Iron Maiden”, que fechou o show, e o colocou em uma caixa cheia de espetos. Depois de sentir um gostinho do sangue do vocalista, Simon abre a janelinha da caixa para revelar o rosto sangrento de Bruce.

O espetáculo, que aconteceu em Londres para um plateia de convidados, foi gravado e você vê abaixo.

Bruce Dickinson

O músico voltou para o Iron Maiden apenas em 1999 e, desde então, não deixou mais a banda. Os caras continuam na ativa e estiveram no Brasil pela milésima vez no ano passado.

 
Compartilhar