Porta dos Fundos em
Divulgação

A Igreja Templo Planeta do Senhor se deu mal após tentar conseguir uma indenização de R$1 bilhão da Netflix e da produtora Porta dos Fundos pelo especial de Natal realizado pelo grupo de humor em 2019, A Primeira Tentação de Cristo.

Como te falamos por aqui, diversos grupos religiosos se viram indignados com a insinuação feita na obra de que Jesus Cristo poderia ter sido um homem gay. Anselmo Ferreira de Melo da Costa foi uma dessas pessoas ofendidas e entrou com o tal processo, que terminou em prejuízo.

Como conta O Tempo, o que ocorreu foi que o presidente da igreja viu a juíza Patrícia Conceição, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, não conceder o direito de Justiça gratuita ao caso. Portanto, ele teria de arcar com as custas do processo e isso estava relacionado ao valor pedido.

Sendo assim, o desejo de lucro absurdo se transformou em um custo de R$82 mil aos seus cofres (ou da igreja) mesmo tendo desistido do processo. Esse montante ainda pode dobrar caso ele decida recorrer, o que não deve acontecer.

Vale lembrar que as outras partes envolvidas nem chegaram a receber notificações judiciais sobre o caso. Isso acabou sendo uma sorte para Melo da Costa, já que poderia fazer com que ele tivesse que pagar os honorários dos advogados das empresas e ter um prejuízo ainda maior.

Continua após o vídeo

Especial de Natal do Porta dos Fundos

Na época das polêmicas, em resposta aos políticos, o Porta dos Fundos gravou um vídeo chamado “INRITADO”, onde tira sarro das críticas e ironiza o que chama de prioridades da Igreja: “combater piadas é mais importante que ajudar refugiados”.

A Netflix já confirmou a produção de outro especial de Natal do Porta para 2020.

 
Compartilhar