Ouça nova versão do disco ao vivo do Pink Floyd!  

O cantor e compositor irlandês Gavin James usa a sinceridade como arma. Tentando trazer seus sentimentos de modo simples e direto, ele tem conquistado a atenção de muita gente com sua mistura de pop, folk e rock.

Recentemente, conversamos com o simpático artista sobre seu recente single “Boxes” e processo criativo de composição.

TMDQA!: Antes de tudo, como você está lidando nesses dias, Gavin?

Gavin James: Estou bem, à base de café! (Risos) Tipo, todo o café do mundo! No começo da quarentena eu fiquei meio sem conseguir fazer nada, deitado vendo tudo que estava acumulado na Netflix. Agora que estou pegando um ritmo novamente.

TMDQA!: Eu sempre senti uma sensação de muita intimidade presente nas suas músicas. Compor assim é algo que você faz para manter a saúde mental em dia?

Gavin James: Sim, definitivamente. Sabe aquela sensação de quando, sei lá, você arruma seu quarto e sente “ok, fiz algo, concluí algo”. Eu sinto isso compondo. Hoje estou aprendendo piano e produção pra sentir que estou fazendo ainda mais.

TMDQA!: E ser verdadeiro é um modo como você se conecta com as pessoas, certo?

Gavin James: Sim, não tem como mentir. O que move as pessoas é a capacidade delas sentirem algo. Podem amar ou odiar, mas se tiver ali no meio desses dois está ok pra mim! (Risos)

TMDQA!: E “Boxes” fala disso, né? De não deixar que outras pessoas mudem você. Qual a importância dessa mensagem hoje pra você?

Gavin James: Eu escrevi na verdade pensando nas coisas que ouvia quando era novo, na escola. Pensando que música não era uma profissão, que devia pensar em ter um emprego de verdade e que não ia dar certo. Compus pensando no que gostaria de ter ouvido. Eu só queria falar “e daí o que vocês pensam, a vida é minha”. Por mais clichê que seja, a mensagem de seguir seus sonhos é muito importante, nem que seja numa música pop de 3 minutos. (risos)

TMDQA!: Muitas pessoas descobriram você aqui no Brasil porque “Nervous” estava na trilha sonora de uma novela. Quando as pessoas ouvem suas músicas assim ou quando as fazem como uma trilha sonora para suas próprias vidas, seu significado muda. Como você, como compositor, reage a isso? Às pessoas criando novos significados para suas músicas.

Gavin James: Eu acho muito legal, gosto muito. Sinto que no momento que lanço a música ela automaticamente deixa de ser minha. (Risos) Já ouvi muita história de músicas que fiz para uma namorada que alguém disse que parecia que falava da relação com os pais ou avós.

TMDQA!: Se você pudesse voltar no tempo e dar um conselho pra você quando estava só começando, qual seria?

Gavin James: Ah, definitivamente não ligar pro que as pessoas falavam que você poderia fazer no tempo da escola. (Risos)

 
Compartilhar