Shigeichi Negishi e a primeira máquina de karaoke do mundo
Foto por Matt Alt
 

Definitivamente uma das invenções que mais alegrou noites e noites dos fãs de música ao redor do mundo é o karaokê.

Seja em uma confraternização do trabalho, festa de aniversário ou mesmo naquela reunião de família, a diversão é sempre garantida quando começa aquela versão instrumental questionável de grandes sucessos da música e você realiza o sonho de ser cantor por um dia.

Pois saiba que tudo isso só é possível graças a Shigeichi Negishi, um empresário japonês que hoje tem 95 anos de idade e foi visitado pelo jornalista Matt Alt, que publicou um especial sobre a máquina na Kotaku.

Shigeichi Negishi e a invenção do karaokê

Ao repórter, Negishi conta que estava cantarolando enquanto ia ao trabalho e, chegando lá, o engenheiro-chefe da firma de eletrônicos o viu e brincou com seus dons vocais (que não eram muitos).

Shigeichi conta, então, que foi atingido pela inspiração e logo pediu para que o tal engenheiro construísse uma máquina capaz de receber fitas e ser conectada com um microfone, para que ele pudesse se ouvir cantando músicas Pop. O engenheiro disse que era “mamão com açúcar” fazer isso e, assim, surgiu a Sparko Box.

Inicialmente, a canção japonesa “Mujō no Yume” foi a escolhida pelo empresário e aspirante a cantor. Com o tempo, a máquina foi melhorada e passou a ter capacidade para várias fitas, até que eventualmente se tornou algo comercializável.

A origem do termo também é explicada por ele. Indo atrás de fitas instrumentais para usar na engenhoca, Negishi se encontrou com um amigo que trabalhava na NHK, maior rede televisiva do Japão, e conta:

Ele me disse, ‘Karaokê. Você quer fitas de karaokê’. Essa foi a primeira vez que eu ouvi a palavra. Era um termo da indústria, percebe. Sempre que um cantor ia se apresentar no interior, eles usavam fitas instrumentais, porque era um verdadeiro pé no saco levar uma orquestra completa para se apresentar com eles. Então eles se apresentavam com uma faixa instrumental gravada — com o fosso da orquestra ‘vazio’. É isso que significa karaokê.

Que história, hein? Você pode conferir um vídeo que mostra a máquina de 1967 funcionando perfeitamente neste link.

 
 
Compartilhar