Sammy Hagar cancela shows no Brasil

Calma, não é bem assim! Sammy Hagar se explicou sobre os comentários polêmicos que fez sobre a volta da indústria de shows.

Há alguns dias, a Rolling Stone publicou um compilado de entrevistas com músicos a respeito do momento difícil que estamos vivendo. Uma delas foi com o ex-Van Halen.

Para o choque de algumas pessoas, ele revelou que gostaria de voltar a fazer shows antes da criação de uma vacina. Leia:

Isso é difícil de dizer sem provocar alguém, mas, sinceramente, eu estou disposto a ficar doente e até morrer, se é esse o necessário. Temos que salvar o mundo e este país dessa bagunça econômica que matará mais pessoas a longo prazo. Prefiro ver todo mundo voltar ao trabalho. Se alguns de nós têm que sacrificar isso, tudo bem. Morrerei para que meus filhos e netos tenham uma vida boa como eu tive neste país maravilhoso.

A declaração, é claro, não pegou muito bem — afinal, os Estados Unidos estão tendo bastante dificuldade para conter a pandemia. Agora, em um comunicado em suas redes sociais, o músico se explicou e adequou o discurso à situação atual.

Segundo Hagar, a entrevista foi feita no começo de maio e, desde então, “as coisas mudaram muito rápido”. Ele continua:

Eu fiz aquela entrevista em 8 de maio, quando já estávamos há várias semanas em casa, o que minha família e eu levamos muito a sério, e as coisas começaram a melhorar, a curva estava começando a se achatar. Então, quando me perguntaram se eu estaria confortável o suficiente para voltar ao palco antes que a vacina fosse lançada, fiquei cautelosamente otimista. Eu disse: ‘Sim, mas não muito cedo. Quero ter certeza de que não está aumentando. Só quando estiver em declínio e indo embora’.

Em termos gerais, trata-se de voltar ao trabalho de forma segura e responsável e fazer com que essa economia volte a funcionar. Eu farei minha parte. Eu mantenho minha palavra. Emprego 200 pessoas diretamente, até mais, quando fazemos turnês.

Sammy ainda finaliza dizendo estar otimista, mas que fará tudo com muita cautela nos próximos meses.

De qualquer forma, as palavras dele foram muito mais ásperas nas declarações originais, e mesmo vendo algum tipo de “luz no fim do túnel” ele falou, literalmente, que até morreria para que seus filhos vivessem em uma economia próspera.

LEIA TAMBÉM: John Fogerty (Creedence): “não vou morrer pelo Donald Trump”

 
Compartilhar