Lobão no Roda Viva
Reprodução/YouTube
   

O cantor Lobão fez questão de deixar suas posições políticas extremamente claras nos últimos anos, e em sua participação no Roda Viva desta segunda-feira (1) ele voltou a afirmar diversas de suas crenças sobre a situação atual do país.

Apoiador ferrenho de Jair Bolsonaro nas eleições de 2018, o músico já deixou claro seu arrependimento e chegou a dizer que o “Bolsonazismo” está assolando o Brasil, além de chamá-lo de “facínora”. Agora, ele criticou os intelectuais da direita brasileira, a quem chamou de “recalcados” (via UOL):

A direita não tem intelectual, tem recalcados. A direita, estou falando de uma maneira ativa, aqui é um subproduto. Temos pouquíssimas seríssimas pessoas, o Martim Vasques da Cunha, o Bruno Garschagen, tem algumas pessoas que são realmente muito boas. O intelectual de direita eu considero que é um observador que tem uma riqueza de informações, mas é uma raridade, me incluo nesse rol, e ficamos num sanduíche. A direita, que o Reinaldo Azevedo chama de ‘direita chucra’, impera e abunda.

Mas é claro que ele também não deixou de falar mal da esquerda. Falando sobre o intelectual desse lado, ele o descreveu como “campeão mundial de punheta de pau mole”. Ele ainda explicou que não vê a mesma força na esquerda atual do que nos protestos de nomes como Joan Baez Bob Dylan:

Acho que o intelectual de esquerda é o campeão mundial de punheta de pau mole. Porque eu acho que há certos tipos de vitimização e de um auto centrismo da esquerda, que ela, realmente, quando vejo determinadas músicas de protesto, é uma punheta de pau mole. Não tem a visceralidade de um Rock ou de uma música de protesto, de uma Joan Baez, de um Bob Dylan.

Você pode assistir ao trecho em questão pelo vídeo abaixo.

Possibilidade de golpe no Brasil

Em outro trecho da conversa, Lobão fala sobre a possibilidade de um golpe no Brasil. Para ele, pessoas como Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, estão errando feio e “ficarão devendo de uma maneira trágica” ao não assegurar as instituições democráticas já que “um golpe estaria a caminho”:

Como que um cara como o Rodrigo Maia vem dizer que as instituições democráticas estão asseguradas? Não estão, Rodrigo Maia, não estão. E você historicamente vai ficar devendo essa de uma maneira trágica. A gente está em uma pandemia, as pessoas estão se estapeando na rua porque não têm essa representatividade, o STF [Supremo Tribunal Federal] está se agigantando nesse sentido. Temos que chamar a responsabilidade dos homens que estão nos poderes constituídos através de pessoas que têm essa autoridade.

O cantor brasileiro também aproveitou para destacar a importância das manifestações que têm ocorrido nos EUA, em nome de George Floyd e contra o racismo, quando as que ocorreram no último final de semana aqui no Brasil e ressalta que esse é o “caminho que a gente deveria ter”:

Quando a gente vê as manifestações tanto lá nos Estados Unidos, com a morte do Floyd, terrível, e o João Pedro aqui, as milícias, a polícia… Eu acho que esse núcleo, que aumenta gigantescamente e que se assemelha muito com o movimento do Diretas [Já], é esse caminho que a gente deveria ter.

Por exemplo, eu achei muito compreensível você ver as torcidas [organizadas, de futebol] irem às ruas. Por um lado. Porque na verdade você vai às favelas, às comunidades, você não tem saneamento básico, você vai querer botar as pessoas em confinamento sendo que você não tem água para lavar as mãos, quanto mais para beber… E essa contenção dos 600 reais, do auxílio, que é um sadismo do governo. Então, essa explosão é absolutamente legítima.

Você pode conferir esse trecho no vídeo abaixo e, em seguida, a íntegra da participação de Lobão no programa.

 
 
Compartilhar