Killer Mike (Run The Jewels) em Atlanta
 

Killer Mike é metade do duo Run The Jewels e há algumas horas foi às lágrimas enquanto fez um discurso na sua terra natal, Atlanta.

Por lá, o rapper falou sobre como “não queria estar ali” mas sentia o dever de se pronunciar após as diversas manifestações que estão acontecendo nos Estados Unidos por conta da morte brutal de George Floyd.

Como falamos por aqui, o homem, negro, foi asfixiado no meio da rua, em plena luz do dia, por um policial branco que colocou todo o peso do seu corpo em cima do pescoço da vítima usando o joelho.

O policial, Derek Chauvin, foi preso e teve a fiança fixada em 500 mil dólares, ou cerca de 3 milhões de reais.

Killer Mike

Em seu discurso, Mike (que é filho de um policial de Atlanta) falou sobre algumas questões envolvendo a situação e inclusive citou como sua família é ligada à polícia, com vários parentes próximos a tendo como profissão.

Em um contexto geral, entre lágrimas e palavras fortes, disse que agora é hora se se estruturar e se organizar, mobilizando as pessoas para seguir em frente, e não “botar fogo em Atlanta, a nossa casa”:

Nós temos que ser melhores do que pessoas que queimam as nossas próprias casas porque se perdermos Atlanta, o que mais teremos?

É o seu dever não queimar a sua própria casa por causa da raiva contra um inimigo. É o seu dever fortificar a sua própria casa para que ela seja uma casa de refúgio em tempos de organização. E agora é hora de pensar, planejar, criar estratégicas, organizar e mobilizar.

Em seu discurso ao lado da atual prefeita de Atlanta, Keisha Lance Bottoms, ele ainda ressaltou o poder do voto das pessoas, afirmando:

É hora de bater nos promotores que você não gosta na cabine de votação. É hora de cobrar a responsabilidade dos gabinetes dos prefeitos, chefes de polícia e vice-chefes.

Estou muito puto. Eu acordei com vontade de ver o mundo pegar fogo. Estou cansado de ver homens negros morrendo. Ele casualmente colocou seu joelho no pescoço de um ser humano por nove minutos enquanto ele morria como uma zebra presa na mandíbula de um leão, e nós assistimos a isso como ‘pornografia de assassinato’ inúmeras vezes.

É por isso que os jovens estão colocando fogo nas coisas – eles não sabem mais o que fazer. E é nossa responsabilidade fazer disso algo melhor, agora mesmo. Não queremos ver um policial acusado, queremos ver quatro policiais acusados e sentenciados. Não queremos ver prédios queimando, queremos ver o sistema que apoia o racismo sistêmico, queimando até o chão.

Precisamos estar à frente. Não precisamos de um policial que comete um erro uma, duas, três vezes… finalmente ele mata um garoto em rede nacional e a próxima coisa que acontece é o país pegando fogo.

Donald Trump e CNN

Em seu discurso, o músico ainda falou que o país “não precisa de um presidente idiota repetindo o que os segregacionistas disseram, ‘Se vocês começarem a saquear, iremos começar a atirar.’

Em outro momento, também criticou o posicionamento do canal de televisão CNN, que teve o prédio vandalizado em Atlanta:

Eu amo a CNN… mas o que eu gostaria de dizer para a CNN agora é que o karma é uma mãe…

Pare de deixar as pessoas com medo. Dê esperanças a elas!

Fico feliz que as pessoas tenham apenas derrubado o logotipo [da CNN] e destruído o prédio e não matado seres humanos como o policial fez. Eu fico feliz que eles apenas danificaram pedaços de concreto e não tiraram um pai de um filho, não tiraram um filho de uma mãe assim como o policial fez. Quando um homem grita por sua mãe ao enfrentar a dor e ela está morta, ele está essencialmente gritando ‘Por favor Deus, não deixe que isso aconteça comigo.’ E nós assistimos.

Você pode assistir ao vídeo completo logo abaixo.

Continua após o vídeo

Run The Jewels

O aguardado quarto disco da banda, Run The Jewels 4, tem data de lançamento marcada para o dia 05 de Junho, a próxima sexta-feira.

O disco tem participações especiais como as de Mavis Staples, Josh Homme, Pharrell Williams e Zack De La Rocha, e se não fosse a pandemia, estaria excursionando pelo planeta com o Rage Against The Machine.

 
Compartilhar