Foto por Vinicius Grosbelli

Machete Bomb é uma banda paranaense sobre a qual já falamos por aqui.

Desde que ouvimos pela primeira vez a apresentação de Rock dos bons feito por um “cavaco profano”, nos demos conta de que tínhamos vindo de Curitiba um grupo repleto de traços únicos e criatividade, soando como bandas que vão de Rage Against The Machine até O Rappa em um piscar de olhos.

Tudo isso era abrilhantado, claro, pela forma como Madu Madureira conectava seu cavaquinho aos mais diversos pedais e não apenas o transformava em uma guitarra para os desatentos como ainda incorporava a sonoridade do instrumento às faixas.

Pois recentemente o músico passou por uma tragédia pessoal quando perdeu a companheira e se viu viúvo com dois filhos pequenos em casa, pronto para desistir das coisas que construiu nos últimos anos.

Acontece que Madu tem amigos que não o deixaram na mão e, ao contrário, o estimularam a seguir em frente, se oferecendo para participar de projetos que trariam novo ânimo ao músico. Nascia assim o MXT coMvida:

Com um peso de uma depressão forte, eu contei com a ajuda de alguns amigos e a música para tentar me levantar. Todos os artistas convidados têm uma certa relação com a história que passei. Muitos eram amigos da Dani e todos têm um motivo especial para fazer parte. O Fred 04, por exemplo, foi quem me inspirou a tocar cavaquinho e a Dani me deu o cavaco de tanto que eu falava em Mundo Livre S/A. É uma obra feita por amigos e por pessoas que se admiram.

MXT coMvida

MXT coMvida

É importante ressaltar que quando estamos falando dos amigos de Madu, não estamos falando de nomes modestos.

Aparecem no projeto BNegão, Odair José, TUYO, Mulamba, Egypcio (Tihuana), Fred 04 (Mundo Livre S/A), Lobato (O Rappa), Mateo Piracés-Ugarte (Francisco, el Hombre), Xandão (O Rappa) e mais.

Com essa mistura de gerações, estilos, gêneros e influências, o resultado veio tanto em vídeo quanto em um álbum que faz das diferenças o seu ponto em comum e passeia por 26 faixas entre canções, vinhetas e agradecimentos.

Você pode ouvir o disco em todas as plataformas digitais e logo abaixo, nos players de Spotify e YouTube.

A arte de capa foi feita pelo artista plástico curitibano Jorge Torres Galvão e cada um dos singles lançados previamente ganhou uma ilustração mostrando momentos distintos de Madu durante todo o processo. Juntos, eles compõem um quadro final.

Nas sessões ao vivo, o cenário foi assinado pelo também curitibano Thestrow, grafiteiro que participa do álbum.