Roger Waters fala sobre Pink Floyd e David Gilmour
 

E parece que a briga entre Roger Waters e David Gilmour ganhou novos capítulos.

Há alguns dias o primeiro fez uma cover de “Mother”, clássico do Pink Floyd presente no disco The Wall (1979), e a gente te mostrou por aqui como ele reuniu seus músicos e disse que “a alegria de estar em uma banda é insubstituível”.

Acontece que ele não ficou muito contente com o fato de que a apresentação não foi replicada no site oficial da sua ex-banda e resolveu publicar um outro vídeo, dessa vez falando a respeito de como ele teria sido “banido” de lá:

Isso traz à tona a pergunta de por que esse vídeo não está disponível em um site que se chama de site oficial do Pink Floyd?

Bem, a resposta para isso é porque não há nada de mim no website. Eu fui banido por David Gilmour do website.

Reunião do Pink Floyd

No vídeo compartilhado por Waters, ele diz que quando se refere ao site da banda, também diz o mesmo para a página do Facebook.

Além disso, relembra um encontro fracassado que teve com os ex-colegas para falar sobre a banda e materiais como o relançamento do disco Animals (1977):

Há cerca de um ano eu organizei uma espécie de Camp David [referência à base militar e casa de campo que atende o presidente dos EUA] para os membros sobreviventes do Pink Floyd em um hotel no aeroporto de Londres onde eu propus todo tipo de medida para superar esse terrível impasse que temos e o dilema no qual nos encontramos. Não foi nada frutífero, eu sinto muito em dizer.

Eu sugeri isso porque seja lá quem sejam os 30 milhões de vocês que assinam a página web, vocês fazem isso pelo trabalho completo que os cinco de nós criamos. Isso significa Syd [Barrett], eu, Rick [Wright], Nick [Mason] e David, ao longo dos anos. E como consequência, parece para mim que seria justo e correto se nós tivéssemos acesso da mesma forma a vocês e pudéssemos compartilhar os nossos projetos.

Mas David acha que é dono de tudo. Eu acho que ele pensa que porque eu deixei a banda em 1985, ele é o dono do Pink Floyd, que ele é o Pink Floyd, que sou irrelevante e que eu deveria simplesmente calar a boca.

Estamos todos abertos a nossas opiniões. Mas há rumores e reclamações como contam amigos próximos que seguem essas coisas, e algumas das perguntas sendo questionadas são: ‘Por que temos que sentar e assistir a Polly Samson [esposa de Gilmour] ano após ano, mês após mês, dia após dia, e os von Trapps lendo trechos de seus livros para que a gente durma à noite?’ Essa é uma ótima pergunta.

E ainda assim não ouvimos nenhuma questão sobre o que Roger [começa a falar na terceira pessoa] está fazendo, ou sobre [a turnê adiada de Waters] ‘This is Not a Drill’, ou quando ele lança um material novo, nada é mostrado e continua assim. E nenhum dos seus trabalhos é publicado. O fato de que o filme dele e de Sean Evans ‘Us and Them’, que acabou de ser lançado digitalmente para streaming em todo canto, nem é mencionado.’

Isso está errado. Deveríamos nos levantar e confrontar. Ou, simplesmente mude o nome da banda para Spinal Tap, e aí tudo ficará bem.

Lives de David Gilmour

Vale lembrar que David Gilmour vem fazendo uma série de lives ao lado da família, como Roger Waters salientou, e a maioria delas envolve leituras de trechos de livros da esposa Polly Samson.

Essas apresentações realmente têm sido compartilhadas na página de Facebook da banda.

Você pode assistir ao vídeo com as declarações de Waters logo abaixo.

LEIA TAMBÉM: David Gilmour toca músicas de Syd Barrett em live