Bryan Adams acusado de racismo
Reprodução/Instagram

É claro que o isolamento social está deixando muita gente nervosa, mas Bryan Adams  parece ter passado um pouco dos limites em um desabafo que acompanhou uma performance acústica.

Usando seu Instagram, o músico compartilhou uma versão de “Cuts Like a Knife” que veio acompanhada de um texto que o levou a ser acusado de racismo. Isso porque ele colocou a culpa pelo surgimento do novo Coronavírus em alguns “comedores de morcegos, vendedores de animais do ‘wet market’, bastardos gananciosos criadores de vírus”:

CUTS LIKE A KNIFE. Uma música feita por mim. Hoje era para ser o começo de uma residência de shows no Royal Albert Hall, mas graças a alguns fodidos comedores de morcegos, vendedores de animais do ‘wet market’, bastardos gananciosos criadores de vírus, o mundo todo está parado, sem mencionar os milhares que já sofreram ou morreram desse vírus. Minha mensagem a eles além de ‘obrigado por nada’ é: sejam veganos.

Você pode assistir à performance abaixo, e conferir a legenda original juntamente. Em seguida, você vê a outra postagem feita por Bryan, na qual ele explica a intenção de suas declarações e pede desculpas a quem possa ter se sentido ofendido.

Explicação de Bryan Adams

View this post on Instagram

CUTS LIKE A KNIFE. A song by me. Tonight was supposed to be the beginning of a tenancy of gigs at the @royalalberthall, but thanks to some fucking bat eating, wet market animal selling, virus making greedy bastards, the whole world is now on hold, not to mention the thousands that have suffered or died from this virus. My message to them other than “thanks a fucking lot” is go vegan. To all the people missing out on our shows, I wish I could be there more than you know. It’s been great hanging out in isolation with my children and family, but I miss my other family, my band, my crew and my fans. Take care of yourselves and hope we can get the show on the road again soon. I’ll be performing a snippet from each album we were supposed to perform for the next few days. X❤️ #songsfromisolation #covid_19 #banwetmarkets #selfisolation #bryanadamscutslikeaknife #govegan🌱

A post shared by Bryan Adams (@bryanadams) on

Novamente como parte da série de performances da sua rede social, a publicação mais recente de Adams explicou que só queria desabafar e “promover o veganismo”, além de ter pedido desculpas “a qualquer um e todos que tenham se sentido ofendidos” pela postagem:

INTO THE FIRE. Faixa-título do mesmo álbum. Desculpas a qualquer um e todos que tenham se sentido ofendidos pela minha postagem de ontem. Sem desculpas, eu só queria ter um desabafo sobre a horrenda crueldade animal nesses ‘wet markets’ sendo a possível fonte do vírus, e promover o veganismo. Eu tenho amor por todas as pessoas e meus pensamentos estão com todos que lidam com essa pandemia ao redor do mundo.

Vale lembrar que os ‘wet markets’ a que ele se refere são as feiras livres que vendem produtos perecíveis, comuns inclusive por aqui (onde aliás deram origem ao nome da banda Secos e Molhados) mas que são um pouco diferentes na China. Segundo reportagem da Super Interessante, alguns desses mercados chineses também permitem a negociação de animais exóticos, inclusive vendendo-os vivos ou matando-os na hora, na frente do consumidor (para garantir a qualidade).

Abaixo, você confere a postagem e explicação de Bryan Adams.

 
Compartilhar