ímã - “ímã de nove pontas
Capa do álbum de estreia da banda ímã / foto por Tárcilo Pereira
 

Nos últimos 4 anos, a interessante mini-orquestra curitibana ímã, que promove um som experimental e plural de qualidade, reuniu suas experiências e sua diversidade para apresentar neste ano o seu excelente álbum de estreia, intitulado ímã de nove pontas.

Composto por 9 faixas autorais, o álbum traz composições do integrante Luciano Faccini (clarineta, violão, guitarra e voz) em parceria com outros artistas e tem produção musical assinada pelo também membro do grupo, Leonardo Gumiero (baixo, sintetizador e voz).

O registro, que inclui os singles “Memória do Chão“, “Incendeia” e “Mangueador“, este último com participação especial de Cacau de Sá, da Mulamba, evidencia a virtuosidade criativa da ímã, transparecendo a coletividade e o dinamismo entre seus 9 membros — além de Faccini e Gumiero, também fazem parte do grupo Dayane Battisti (violoncelo, violão, cavaquinho e voz), Francisco Okabe (violão de 7 cordas, cavaquinho, flauta e voz), Lorenzo Molossi (bateria, guitarra e voz), Má Ribeiro (percussões e voz), Guilherme Nunes (guitarra), Daniel D’Alessandro (bateria e percussões) e Yasmine Matusita (bateria e voz).

Sobre o resultado de ímã de nove pontas, a banda comentou:

É um projeto enorme feito a partir de minúcias. Cada detalhe na produção, arranjo, letras e visuais foi criado por várias mãos e corações dedicados a fazer o melhor que podiam. Muitas vozes se articularam em dissonâncias e consonâncias para que um projeto desse tamanho pudesse ser feito. Nosso obrigado aos artistas que nos acompanharam com seus trabalhos e afetividades durante o processo do álbum, pessoas que colaboraram com o vídeo de ‘Incendeia’ e todo mundo que nos deu suporte de diferentes forma.

Contando ainda com participações de Matê Magnabosco, Marcio Mattana, Roseane Santos e da artista argentina Soema Montenegro, a identidade forte de ímã de nove pontas promove uma experiência sonora libertadora, abundante e magnética, ao transformar ritmos como samba reggae, ijexá e funk em inúmeras possibilidades e sensações.

Comida de Foguete

"Hypneromachia Poliphili", Comida de Foguete
Capa do EP “Hypneromachia Poliphili”, Comida de Foguete / Foto por Vinicius Lisboa

O projeto Comida de Foguete não tem apenas seu nome instigante, mas também sua sonoridade, ao misturas elementos do rock psicodélico, folk, barroco e até indie pop em faixas curtas, porém impactantes, honestas e reflexivas, que vão agradar e muito fãs de artistas como John Frusciante.

Criado em Feira de Santana pelo multi-instrumentista e produtor PV, ex-integrante das bandas Clube de Patifes e Madgalene and the Rock and Roll Explosion, o projeto apresenta neste ano o seu primeiro EP, Hypnerotomachia Poliphili, que chega após o lançamento do álbum Magik Devilish Childish, de 2019.

Com seu título inspirado por um dos livros mais enigmáticos impressos no Renascimento, obviamente suas 6 faixas que totalizam menos de 10 minutos não poderiam ser menos que intrigantes, como declara o seu compositor, PV:

O mais novo trabalho da Comida de Foguete é o fruto de um breve conflito e romance de sonho, porque da mesma maneira que o protagonista da ‘Hypnerotomachia’, o seu autor também tem afinidade por muitas coisas e sabe que tudo quanto é humano, não passa de sonho.

Ouça Hypnerotomachia Poliphili:

Crime Caqui

Crime Caqui
Foto: Divulgação

Enquanto se planeja para concluir o seu álbum de estreia, o quarteto paulistano Crime Caqui lançou uma nova versão do single “Somos Demais II“, ampliando as referências de dream pop, indie e post-rock do grupo.

A nova versão, que traz produção de Desirée Marantes e mixagem de Flávia Fontolan, ganhou um videoclipe que conta com concepção assinada pela própria banda e que você confere logo abaixo.

TECIDO

TECIDO - "Meu Coração"
Foto: Capa do single “Meu Coração”, TECIDO

O norte-americano John e o gaúcho Edu Meirelles, artistas do selo Loop Discos, decidiram misturas suas culturas, influências e seus idiomas em um projeto musical nomeado como TECIDO, que conta ainda com o experiente produtor Edo Portugal.

Com referências que vão de Snoop Dogg e Marvin Gaye a Michael Jackson, o trio TECIDO mistura alegria e melancolia em seu novo single, “Meu Coração“, que você pode ouvir logo abaixo:

Morenas Azuis

Morenas Azuis
Foto: Divulgação

Depois de lançar no ano passado o EP Contato, o trio brusquense Morenas Azuis, formado por Lucas Rhuan (Guitarra e vocal), Renan (bateria e vocal) e Pio (baixo e vocal), retorna em 2020 com novidade.

Agora, a banda de pop rock, que possui 7 anos de história, surge com o videoclipe da faixa “Bom Tempo“, que traz roteiro assinado pelo trio em parceria com Rhiani Fischer.

Assista ao resultado: