Foto: Wikimedia Commons
 

Parece que as notícias relacionadas ao Fyre Festival não vão parar de surgir tão cedo.

Como contamos por aqui, o idealizador do furado festival esteve escrevendo sua biografia de dentro da cadeia. Agora, enquanto ainda cumpre a pena de seis anos pelos crimes de fraude relacionados ao evento que nunca existiu, Billy McFarland lançou um novo projeto.

Neste momento, preso em Ohio em época de coronavírus, ele diz ver como os presos têm sofrido sem poder ter contato com suas famílias.

Além do fato de que o isolamento social causado pela pandemia tenha feito com que as prisões proibissem visitas, McFarland diz reconhecer que várias famílias estejam encontrando dificuldades em fechar as contas no fim do mês devido às dificuldades de trabalhar nesses tempos. Com isso, muitos não conseguem pagar pelas ligações telefônicas – que seriam a única forma de manter presos e familiares conectados.

Ele conta que cada ligação pode ter duração máxima de 15 minutos, e que o valor pela ligação completa sai a US$3,15. Pensando nisso, o projeto que busca receber doações foi batizado de Project-315.

Pronunciamento de Billy McFarland

Buscando explicar o novo projeto e ciente de sua má reputação, devido não só a fraude que foi o Fyre Festival, mas também às diversas atitudes dignas de repúdio que repercutiram no mundo todo, McFarland deixou um pronunciamento escrito no site do Project-315, via New York Post.

Confira um trecho:

O coronavírus está distanciando as famílias… e as visitas estão canceladas em todas as prisões federais (…) Estou lançando uma iniciativa chamada Project-315 para conectar os presos com suas famílias afetadas pelo coronavírus. Nós pagaremos pelas ligações do maior número de pessoas possível encarceradas em todo o país.

Sobre seus atos, ele disse:

Primeiro, eu gostaria que vocês soubessem que eu sei o quanto eu vacilei. Eu menti, enganei e no fim das contas machuquei muitas pessoas na busca do que eu acreditava que seria uma aventura de negócios bem sucedida. O que eu fiz foi absolutamente desprezível, e a responsabilidade pelos prejuízos causados começam e terminam em mim. Absolutamente, não há desculpas pelos meus atos. Não existe um dia em que essas escolhas não passem pelas minhas reflexões e não me deixem enojado.

No fim, meus erros podem se provar imperdoáveis, mas enquanto eu sento aqui e absorvo tudo isso, eu lembro do dia em que fui sentenciado. Eu prometi me dedicar a ajudar aqueles que machuquei pela única forma que pensei ser apropriada: vivendo minhas desculpas. Depois de quase 2 anos na prisão, eu acredito nisso mais do que nunca. Aos que machuquei, eu sinto muito. Vou trabalhar pelo resto da minha vida para compensar, de alguma pequena forma, pelo que fiz.

(…)

Muitos de vocês me conhecem do Fyre Festival. Se eu fosse você, eu pensaria que isso era um golpe, que eu sou um merda. Eu também questionaria tudo que eu lesse que tentasse me convencer do contrário.

(…)

Eu legitimamente tentei executar o festival, mas claramente tomei decisões erradas, imorais e terríveis durante o caminho. No entanto, embora o festival tenha falhado, o tempo resultante na prisão amadureceu minha missão e solidificou minha crença de que o bem pode ser criado e dividido, e que quando diferentes pessoas se juntam é mais potente; está é minha fonte de inspiração para ajudar aqueles com os quais errei.

Ao final, sobre as doações, ele conclui:

P.S. – Uma nota sobre o financiamento: Todas as doações, exceto as taxas para receber e distribuir os fundos, vão diretamente aos presos e familiares. Eu entendo que ninguém possa se juntar a mim neste empreendimento. Minha esperança é de que uma vez que o Project-315 se prove impactante, você também decida se juntar a mim. Para esclarecer alguns parâmetros: eu não tocarei no dinheiro. Eu não tenho acesso aos fundos. Eu não estou sendo pago. E eu não estou recebendo nenhum benefício financeiro.

Eu quero conectar e juntar as pessoas enquanto ajudo a todos que machuquei e, mais importante, fazendo isso dentro dos limites permitidos. Independentemente da sua posição com a minha missão, eu espero que seja óbvio que eu não quero voltar para a prisão. Eu também acredito que seja necessário que operemos com extrema transparência. Prestação de contas serão publicadas semanalmente, e qualquer questão quanto à contabilidade será respondida publicamente.

Você pode ler o texto completo, em inglês, clicando aqui.

LEIA TAMBÉM: Inacreditável: festival na Bélgica “imita” o Fyre Festival e é cancelado

 
Compartilhar