Russo Passapusso (BaianaSystem)
Foto: Wikimedia Commons
 

O Carnaval está com o pé na porta, e é realmente impossível falar sobre a folia moderna sem ao menos mencionar o revolucionário trabalho do grupo BaianaSystem. Com uma mistura muito original entre tradição e novas tendências musicais, a banda desenvolveu uma sonoridade cativante ao longo da última década, que passou a ser inspiração para vários nomes da nova cena.

Após o lançamento do disco O Futuro Não Demora, a banda tem focado na divulgação de novos singles ao longo dos últimos meses. Após “Cabeça de Papel” e “Miçanga“, chegou a vez de “Corrida Elétrica“.

Com colaboração com o trio Armandinho, Dodô & Osmar, a faixa é uma homenagem instrumental aos 70 anos da criação do trio elétrico. Hoje entendido como parte fundamental deste período do ano, os trios revolucionaram o Carnaval, trazendo uma experiência social nova, ligada ao envolvimento sensorial da propagação do som.

Confira essa explosão rítmica no player abaixo:

 

Pseudo Banda

Pseudo Banda
Foto: Divulgação

Cheio de teatralidade, o grupo Pseudo Banda aproveitou a efervescente produção musical desta época do ano para satirizar a situação sociopolítica vivida atualmente pelo Brasil. O resultado chama-se “Não Me Importo (É Carnaval!)“, faixa do EP É Agora que ganhou recentemente um clipe oficial.

“Se não sou eu, eu não me importo. Se não sou eu quem se fodeu, eu não me importo!”, diz um dos trechos da canção. Inspirada fortemente pela liberdade rítmica das marchinhas dos anos 50, a canção nos presenteia com um instrumental recheado pelo timbre de instrumentos como cavaco, surdo, chocalho, caixa e repique. A letra, enquanto isso, teve inspiração no poema “Intertexto”, de Bertold Brecht

O videoclipe, dirigido e roteirizado por Karinna de Simone, traz a sátira em três divertidos personagens, vividos pelos membros do trio. São ele o Capitão Aleluia (Vinícius Árabe), a Arlequina Comunista (Julia Rosa) e Agro Miranda Tech (Bea Pereira). Outros elementos do clipe também tecem certeiras críticas, como a bandeira do Brasil representada através de uma laranja, com os dizeres “Terra de Ninguém”.

De acordo com Julia:

Em uma realidade cheia de distrações, é muito fácil fechar os olhos para o que não nos afeta diretamente. A crítica da música é válida para todos nós, para não nos rendermos ao conformismo e individualismo. Acreditamos que a mudança começa por meio da consciência e da empatia.

Confira abaixo o clipe:

 

Ruxell

Ruxell
Foto: Divulgação

Outro fato sobre o Carnaval atual é a sua clara vinculação à produção pop brasileira. Além das clássicas marchinhas, dos axés e de demais hits atemporais do cancioneiro nacional, o funk hoje é parte importante da folia.

Inspirado fortemente pela vertente do bregafunk, Ruxell convidou Jerry Smith, Felipe Original e MC Anônimo para dar vida à canção “Beat Envolvente“. O lançamento mistura uma composição pop com elementos sonoros jamaicanos. Enquanto isso, o clipe, gravado no Rio de Janeiro, é ilustrado pela coreografia pegajosa dos dançarinos recifenses VT Quebradeira e Williams Frajola.

Sobre as participações, Ruxell conta que:

Foi super tranquilo e prazeroso trabalhar com Jerry, Felipe e Anônimo, essa galera da pesada que eu sou fã. Me sinto muito agradecido pela dedicação deles no projeto. Fico muito feliz de poder ter unido todo mundo para tornar isso real.

 

Roberta Campos

Roberta Campos e Olodum
Foto: Divulgação

A cantora mineira Roberta Campos se uniu ao Olodum para o clipe de “Vem Me Buscar“. O single contou com a participação dos percussionistas Gilmário Marques, Arayê, Elpídio Bastos, Andreia Reis e Gel Santos, todos do consagrado grupo baiano.

O clipe, gravado em Salvador, capta toda a energia e charme especial da cidade durante o Carnaval. Com direção de Alisson Louback, o vídeo também conta com Roberta cantando durante o tradicional ensaio do grupo, em gravações descontraídas na Casa do Olodum e no Pelourinho.

Um dos pontos fortes da faixas é a diferença entre as musicalidades originais de Roberta e do Olodum. “A fusão fez com que a música ganhasse sonoridade e ritmo estupendos, ajudando a abrilhantar a competência e sucesso de ambos”, conclui Elpídio Bastos, diretor musical do grupo.

Confira:

 

Flávia Ellen

Flávia Ellen
Foto: Flavia Costa

A manifestação cultural do Carnaval em si é um espetáculo lindo de ser. Mas convenhamos que os flertes também são parte inerente de toda a peça. É justamente esse o tema do novo clipe da cantora mineira Flávia Ellen, ilustrando a canção que se chama, pasmem, “Flerte“.

A faixa faz parte de Desperta, disco de estreia da compositora lançado em 2019. Na forma de uma MPB com elementos de R&B e do blues, a canção conta também com uma levada sensual e dançante. “Pode encostar / Agora vem dançar comigo / Encosta o seu corpo no meu / Espero que você não diga não”, diz um dos trechos da letra.

Sobre o objetivo da composição, Flávia conta:

Reviver sempre o espírito do carnaval como sendo uma manifestação cultural e política. Especialmente o da minha cidade, que surgiu como um carnaval de luta, contra ações municipais que restringiam a ocupação da cidade, que é nossa. Então, o caráter político sempre estará presente no carnaval de BH, e lançar um clipe em um bloco feminino e LGBT+ é um ato político de resistência dessa comunidade, que é a minha.

Confira o clipe:

 

CyberKills

Capa de "Hit do Carnaval" (CyberKills, Kaya Conky e Potyguara Bardo)
Foto: Divulgação

A relação artística entre Potyguara Bardo e Kaya Conky não é de hoje. Mais uma vez, e em clima bem carnavalesco, elas se uniram. Juntas à dupla CyberKills, foi lançada recentemente a modesta “Hit do Carnaval“.

De forma quase que didática, a letra da canção ensina, de fato, o processo para se compor um hit para esta época do ano tão disputada no cenário musical nacional. Por cima da contagiante batida do bregafunk estão instruções como “catar um batidão pra tocar no camarote” e “ter menos de três minutos”. A canção também contempla referências que vão desde Lady Gaga até MC Loma e Chiclete com Banana. No final, devemos “jogar tudo na panela” e “bater feito maionese”.

O clipe também não economiza nas referências. Nem mesmo a MTV é poupada, já que a Potyguara e Kaya estão na primeira colocação da parada do canal televisivo WTF.

Confira (e dance) abaixo: