Foto: Reprodução/Facebook
 

O indie venceu! Teve Boogarins no Bial!

“Muitos brasileiros vão ouvir esse som pela primeira vez.” disse Pedro Bial na abertura de seu programa na Rede Globo nesta segunda-feira (dia 16), que teve como atração a banda Boogarins. O sertanejo Mateus, da dupla com Jorge, admirador do grupo, também foi um dos convidados.

Entusiasmado com a aparição do quarteto em rede nacional, Bial comentou sobre como os meninos “reconhecidos internacionalmente” surgiram em Goiânia, que tem como identidade principal o sertanejo. Logo na abertura do talk show, ele explicou que nos anos 90 começou um movimento na cidade de rejeição ao título de capital do country e de resistência à hegemonia do gênero que, na época, tinha como seus maiores representantes a dupla Leandro e Leonardo. Ele cita os festivais Bananada e Goiânia Noise como os responsáveis pela resistência do rock na região.

Antes de tocar a primeira música, “Doce”, Bial relembrou que o Boogarins “já foi indicado ao Grammy, ganhou elogios rasgados do The New York Times, esse ano lançou o quarto disco de estúdio e conquistou até os melhores sertanejos do Brasil”.

Boogarins no Bial

Quando questionados sobre o nome da banda, Dinho conta que a ideia inicial era de que o grupo tivesse o título de seu primeiro disco, As Plantas Que Curam, mas que depois acabou se tornando Boogarins influenciado pelo nome da planta bulgari, que significa “amor puro”.

O Benke veio como uma lista de nomes de plantas que curam. São como nossas primeiras músicas.

O programa global resgatou imagens dos integrantes ainda na escola tocando juntos, de quando foram eleitos pelo Multishow a revelação de 2014, e das vezes em que participaram do Festival Bananada, mostrado num clipe com depoimentos de nomes como João Donato, Tulipa Ruiz e Edgar.

História do Boogarins

Bial define a história da banda como “um conto de fadas”, afinal, depois das primeiras gravações dentro de um quarto e de conseguiram comprar os equipamentos básicos para poder trabalhar com o dinheiro que ganharam fazendo jingles para campanhas políticas, eles foram descobertos por uma gravadora americana na internet e partiram para uma turnê internacional com 100 shows. Aqui no Brasil eles só tinham se apresentado em Goiânia.

Enquanto falava sobre seu tom de voz e as letras todas do grupo em português, mesmo com o público lá fora cada vez maior, Dinho muito bem-humorado diz que até aqui as pessoas não entendem direito o que ele canta.

A gente deixa para eles entenderem. Nesses tempos de conflitos nossa música está aí para fazer a união das coisas.

Tendo como gancho o Bananada, que surgiu para afrontar a cena sertaneja, Ynaiã diz a Bial que não existe rivalidade de fato para quem trabalha com música. Benke intervém, porém, para falar sobre a diferença entre eventos como feiras agropecuárias, por exemplo, em que o som ecoa por bairros de distância, e o próprio Bananada que, mesmo depois de 20 anos, ainda sofre com multas por causa de barulho, e outros aspectos.

Boogarins feat. Mateus

O sertanejo Mateus, da dupla com Jorge, os artistas mais ouvidos da década no Brasil no Spotify, entra na conversa para falar sobre sua relação com o Boogarins, que ele conta conhecer desde o primeiro EP. Ele também é do estado de Goiás.

Com tatuagens de Jimi Hendrix e Radiohead no corpo, o sertanejo faz uma parceria com a banda na faixa “Avalanche” e, logo após, diz ser abominável o pensamento do Diretor da Funarte, Dante Mantovani, que afirmou que o rock leva ao satanismo. Ele confessa também que ouve mais rock do que sertanejo, instigando Bial a perguntar se podemos esperar algo novo vindo dele. A resposta se restringe a projetos dentro de sua carreira já consolidada.

Fã de Tião Carreiro, ele diz ter vontade de tatuar algo sobre o artista, definido por Fefel como o Bob Dylan brasileiro numa de suas poucas falas no programa. Ele, porém, foi o protagonista de vários momentos engraçados durante a entrevista, revelando inclusive ser grande fã da música caipira e do sertanejo. Bial mostrou quando ele e Dinho estiveram “disfarçados” na plateia de seu programa na edição especial com os Amigos, projeto conjunto de Chitãozinho & Xororó, Zezé di Camargo & Luciano, e Leonardo.

O Boogarins ainda tocou no Conversa com Bial as músicas “Sombra ou Dúvida” e “Dislexia ou Transe”, anunciada pelo apresentador a partir da comparação da canção feita pelos fãs ao tema de abertura do Globo Rural. Assista ao programa completo aqui.

E ouça abaixo o trabalho mais recente do grupo, Sombrou Dúvida, eleito um dos melhores discos de 2019 aqui pelo TMDQA!.

 
Compartilhar