Capa de

Em março de 1989, os Ramones lançavam o décimo primeiro disco da carreira, intitulado Brain Drain.

A banda continuava a todo vapor, gravando, fazendo extensas turnês e conquistando cada vez mais fãs. Apesar disso, os integrantes ainda não achavam suficiente o reconhecimento com todo o legado apresentado até então.

Eles queriam mais e nesse sentido Brain Drain foi um passo importante para quebrar algumas barreiras e abrir espaço nas rádios e canais de televisão.

A faixa “Pet Sematary”, se tornou o grande hit do disco ao ser escolhida como trilha sonora de Cemitério Maldito, de Stephen King, um grande fã dos Ramones. O clipe, que conta com cenas do filme, foi gravado em um cemitério de Nova York.

Aliado a outros clássicos como “I Believe In Miracles”, um dos maiores de todos, “Don’t Bust My Chops”, “Merry Christmas (I Don’t Want To Fight Tonight)” e “Palisades Park” (Freddy Cannon / Chuck Barris), que trouxe de volta a tradição de um cover nos discos, Brain Drain se tornou o maior sucesso de vendas dos Ramones.

Sob o comando de Johnny Ramone, Joey Ramone e Dee Dee Ramone entregaram, cada um, seis músicas. Com os seus dois principais compositores inspirados, foi fácil posicionar o novo trabalho entre os pontos fortes da discografia, após alguns lançamentos mais irregulares da década de 80.

Fatores internos também foram importantes no período, como a volta do baterista Marky Ramone, que ficou de fora dos discos Too Tough to Die (1984), Animal Boy (1986) e Halfway to Sanity (1987), que têm Richie Ramone no comando das baquetas. 

Brain Drain marca o último trabalho da banda pela gravadora Sire Records e a saída de Dee Dee, um dos membros originais.

O eterno baixista dos Ramones sempre lutou contra os vícios e suas instabilidades emocionais e após alguns anos em que esteve em tratamento e limpo das drogas, Dee Dee parecia estar em paz com a sua mente e feliz com o rendimento do novo disco.

Puro engano. Três meses após o lançamento, durante a turnê americana, comunicou, através do seu empresário, que estava se desligando dos Ramones. Em seu lugar entraria CJ Ramone, enquanto Dee Dee passou a se dedicar a uma carreira de rap de qualidade muito duvidosa.

Ainda bem que os Ramones sempre souberam renascer e vencer os seus demônios internos. Os fãs sempre funcionaram como o maior combustível do grupo e dessa vez não foi diferente.

Os anos 90 chegariam com discos icônicos e o almejado reconhecimento seria novamente fortalecido por obras como Loco Live, Mundo Bizarro e Adios Amigos, trazendo um sucesso estrondoso, principalmente na América do Sul.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!