Bruce Springsteen
Foto: Divulgação
   

Bruce Springsteen abriu seu coração ao falar sobre sua batalha contra a depressão.

Em entrevista recente (via NME), o Boss falou sobre sua infância conturbada e o relacionamento problemático com o pai, que também sofria com problemas de saúde mental.

Springsteen discutiu a maneira como traumas ficam acumulados e cobram mais e mais com o passar dos anos.

Tudo o que sei é que à medida que envelhecemos, o peso de nossa bagagem não tratada se torna mais pesado… muito mais pesado. Há muito tempo atrás, as defesas que construí para suportar o trauma da minha infância, para salvar o que eu tinha de mim mesmo, sobreviveram à sua utilidade, e me tornei um abusador de seus próprios poderes. Confiei neles de maneira errada para me isolar, selar minha alienação, me afastar da vida, controlar os outros e conter minhas emoções em um grau prejudicial. Agora o cobrador [está] batendo na porta, e seu pagamento [vai] ser em lágrimas.

O cantor deu mais detalhes sobre sua infância:

Quando eu era criança, e na minha adolescência… eu me sentia como um barco muito, muito vazio. E foi só quando comecei a preenchê-lo com música que comecei a sentir meu próprio poder pessoal e meu impacto em meus amigos e no pequeno mundo em que eu estava. Comecei a ter uma noção de mim mesmo. Mas saiu de um lugar de vazio real. Minha mãe era gentil e compassiva e muito atenciosa com os sentimentos dos outros. Ela atravessou o mundo com propósito, mas suavemente, levemente. Todas essas eram as coisas que estavam alinhadas com meu próprio espírito. Isso era quem eu era. Isso veio naturalmente para mim. Meu pai olhava todas essas coisas como fraquezas. Ele foi muito desconsiderado, principalmente com quem eu era. E isso te leva a uma busca ao longo da vida para resolver isso.

Ao falar dos dias atuais e de como lida com os problemas, Bruce Springsteen revelou tomar remédios para se manter bem, além de prestar mais atenção nos sinais que sua própria consciência dá.