Bingo - O Rei das Manhãs
Foto: Divulgação
 

Nesta terça-feira (18), aconteceu na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, a noite de premiação do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, transmitida ao vivo pelo Canal Brasil. O longa de Daniel Rezende Bingo – O Rei das Manhãs se consagrou como o maior vencedor do prêmio, ao faturar oito troféus Grande Otelo.

Estrelada por Vladimir Brichta, a produção venceu nas categorias Melhor Filme de Ficção, Melhor Ator (Vladimir Brichta), Melhor Ator Coadjuvante (Augusto Madeira), Direção de Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Maquiagem e Montagem Ficção, além de conquistar o Voto Popular como Melhor Longa de Ficção Brasileiro.

Bingo conta a história de Arlindo Barreto, o ex-palhaço Bozo, que fez muito sucesso nos anos 1980 no SBT. Por questões de direitos, Arlindo, no roteiro, virou Augusto Mendes (Brichta) e, claro, Bozo se tornou Bingo.

Outros destaques da premiação apresentada pelos atores Laila Garin e Charles Fricks foram Como Nossos Pais, que ganhou nas categorias Melhor Atriz (Maria Ribeiro) e Melhor Direção (Laís Bodanzky), e A Glória e a Graça, que levou para casa as estatuetas de Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz Coadjuvante (Sandra Corveloni).

Já o troféu de Melhor Comédia foi para Divórcio, de Pedro Amorim, enquanto Melhor Animação ficou com Historietas Assombradas, de Victor-Hugo Borges, e Melhor Filme Infantil com Detetives do Prédio Azul, de André Pellenz.

Leandra Leal, que não estava presente na cerimônia, pode ter perdido o prêmio de Melhor Atriz, porém, o longa dirigido por ela, Divinas Divas, faturou os troféus de Melhor Documentário e Montagem Documentário, recebidos por Natara Ney. Pelo júri popular, o Melhor Documentário foi Cora Coralina – Todas as Vidas, de Renato Barbieri.

Antes do anúncio da principal categoria da noite (Melhor Filme para Bingo), o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro homenageou a atriz Fernanda Montenegro, que completa em 2018 90 anos de idade, sendo 75 de carreira. A dama do teatro, da televisão e do cinema foi convidada ao palco por Vinícius de Oliveira, que trabalhou com ela em Central do Brasil (1998).

Fernanda contou ao público como Vinícius foi importante para que o roteiro do longa, que concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1999, surgisse. A atriz revelou que o diretor Walter Salles foi abordado pelo rapaz, na época um menino, pedindo para que o deixasse engraxar seu sapato. Como o cineasta estava de tênis, recusou a oferta e deu um cartão para que Vinicius o procurasse depois. Mais tarde, tudo aconteceu.

Para entregar o troféu Grande Otelo a Fernanda, a Academia Brasileira de Cinema escolheu os diretores Cacá Diegues, Zelito Viana e Luiz Carlos Barreto, que trocaram gentilezas e palavras carinhosas de forma bastante espirituosa, já que todos se conhecem de longa data.

A noite também foi de homenagem para o diretor Roberto Farias, de O Assalto ao Trem Pagador (1962), falecido em maio passado, aos 86 anos, vítima de câncer. Ele era o diretor-presidente da Academia Brasileira de Cinema, cargo hoje ocupado por Jorge Peregrino, que relembrou, no início da premiação, a importância de Roberto para o mercado audiovisual.

O cineasta Nelson Pereira dos Santos, que morreu em abril aos 89 anos, foi outro nome mencionado durante a cerimônia. Ele dirigiu o clássico Vidas Secas (1963) e foi um dos precursores do Cinema Novo, movimento cinematográfico nacional na década de 1960.

Confira abaixo todos os vencedores do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 2018:

Melhor Filme: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhor Filme – Júri Popular: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhor Documentário: Divinas Divas

Melhor Documentário – Júri Popular: Cora Coralina – Todas as Vidas

Melhor Comédia: Divórcio

Melhor Animação: Historietas Assombradas – O Filme

Melhor Filme Infantil: D.P.A. – O Filme

Melhor Direção: Laís Bodanzky (Como Nossos Pais)

Melhor Atriz: Maria Ribeiro (Como Nossos Pais)

Melhor Ator: Vladimir Brichta (Bingo – O Rei das Manhãs)

Melhor Atriz Coadjuvante: Sandra Corveloni (A Glória e a Graça)

Melhor Ator Coadjuvante: Augusto Madeira (Bingo – O Rei das Manhãs)

Melhor Direção de Fotografia: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhor Roteiro Original: A Glória e a Graça

Melhor Roteiro Adaptado: Real – O Plano por Trás da História

Melhor Direção de Arte: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhor Figurino: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhor Maquiagem: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhores Efeitos Visuais: Malasartes e o Duelo com a Morte

Melhor Montagem – Ficção: Bingo – O Rei das Manhãs

Melhor Montagem – Documentário: Divinas Divas

Melhor Som: João, o Maestro

Melhor Trilha Sonora Original: O Filme da Minha Vida

Melhor Trilha Sonora: João, o Maestro

Melhor Filme Estrangeiro: Uma Mulher Fantástica

Melhor Filme Estrangeiro – Júri Popular: La La Land – Cantando Estações

Melhor Curta de Animação: Vênus-Filó, a Fadinha Lésbica

Melhor Curta Documentário: Ocupação do Hotel Cambridge

Melhor Curta de Ficção: A Passagem do Cometa