James Gunn na estreia de Guardiões da Galáxia em 2014
Foto de James Gunn via Shutterstock
 

James Gunn é o roteirista e diretor por trás dos dois filmes de Guardiões da Galáxia, lançados em 2014 e 2017.

Já no ano passado ele havia confirmado que voltaria ao posto para Guardiões da Galáxia 3, mas tudo foi cancelado há algumas horas pela Disney, que o demitiu do posto.

Tudo aconteceu porque há alguns dias vieram à tona tweets antigos de James Gunn onde o diretor fazia piadas completamente sem graça sobre questões como pedofilia e estupro, e diversos grupos passaram a criticá-lo, inclusive criando campanhas para que seus próximos trabalhos fossem boicotados.

Há algumas horas a Disney emitiu um comunicado através de Alan Horn e foi categórica:

As atitudes ofensivas e declarações descobertas no feed do Twitter de James são indefensáveis e inconsistentes com os valores dos nossos estúdios, e nós decidimos romper nossa relação comercial com ele.

Já na madrugada de ontem para hoje, quando o assunto estava sendo debatido, James Gunn publicou em sua conta no Twitter:

Muitas pessoas que seguem a minha carreira sabem que quando eu comecei eu me via como um provocador, fazendo filmes e contando piadas que eram controversas e abordavam tabus. Como eu já falei publicamente várias vezes, conforme eu me desenvolvei como pessoa, também se desenvolveram o meu trabalho e o meu humor.

Não é para dizer que eu estou melhor, mas eu estou muito, muito diferente do que era há alguns anos; hoje eu tento enraizar o meu trabalho no amor e nas conexões e menos na raiva. Meus dias de falar algo só porque é chocante e para tentar conseguir uma reação acabaram.

Nos tweets ele ainda disse que já pediu desculpas algumas vezes a respeito dos tweets e sempre foi sincero sobre como ele realmente havia se arrependido dos comentários.

 

Declaração Oficial

Após a decisão da Disney tomada hoje mais cedo para demiti-lo do próximo Guardiões, James Gunn emitiu um comunicado dizendo que “entende e aceita” os fatos:

As minhas palavras de quase uma década atrás foram, naquele momento, tentativas completamente infelizes e ineficazes de ser provocador. Eu me arrependi delas durante os anos seguintes – não apenas porque elas eram estúpidas, sem graça, insensíveis e certamente nada provocativas como eu esperava, mas também porque elas não refletem a pessoa que eu sou hoje em dia ou tenho sido já há algum tempo.

Apesar de todo tempo que já passou, eu entendo e aceito as decisões de negócios tomadas hoje. Mesmo após tantos anos eu assumo completa responsabilidade pela forma como eu me conduzi na época. Tudo que posso fazer agora, além de oferecer o meu arrependimento mais sincero, é ser o melhor ser humano que eu possa ser: aceitando, entendendo e me comprometendo com a igualdade, além de ser mais cuidadoso com as minhas declarações públicas e as minhas obrigações com o público. Para todo mundo dentro da minha indústria e fora dela, eu novamente ofereço as minhas mais profundas desculpas. Amor a todos.