O Sigur Rós acaba de se meter em uma confusão com o governo islandês após a fiscalização de impostos do país ter revelado que a banda não havia pago a quantia de impostos necessária.

Sob a suspeita de sonegação de impostos, o governo decidiu congelar cerca de 8 milhões de dólares em bens dos membros do grupo até que a situação fosse normalizada. Agora, o grupo já pagou sua dívida, como aponta a mídia local.

Segundo o trio, o mal entendido foi causado por seu contador. Ao conversar com o jornal Morgunblaðið (traduzido pelo Grapevine), Georg Holm disse que “isso incomodou um pouco e custou caro para nós”. Ele adicionou:

Nós achávamos que tínhamos uma boa relação com esse contador, nós confiávamos completamente nele, e então acontece que ele não entregou os documentos certos na hora certa. Isso não é nada mais que uma bagunça completa da qual nós não tivemos conhecimento até sermos notificados pelo órgão oficial.

O Grapevine revela que a maior parte dos 8 milhões de dólares congelados pelo governo estavam relacionados ao vocalista da banda, Jónsi. Eles incluíam “treze propriedades, duas motos, dois carros, seis contas de banco e ações em três empresas, em um valor total de 6.4 milhões de dólares” (cerca de 21 milhões de reais).

Você pode conferir a declaração completa da banda sobre o assunto para a Pitchfork clicando aqui.

 
 
Compartilhar