O músico Will Toledo, criador do projeto de indie rock Car Seat Headrest, acaba de dar sua opinião em relação à recente polêmica envolvendo os valores de pagamento de plataformas de streaming — em especial, o Spotify.

Após Geoff Barrow (Portishead) e Thom Yorke (Radiohead) terem criticado a empresa por não pagar “o suficiente” pela execução de faixas em sua plataforma, o músico indie expôs alguns números que conquistou através do serviço.

“Desde 2013 eu fiz quase 30 mil dólares [100 mil reais] de streams do Spotify de álbuns meus que não foram lançados pela Matador”, disse Toledo, que ainda afirmou que “poderia sobreviver de mês a mês” com a renda desses discos, ainda sem contar a renda seus dois trabalhos mais recentes.

Ao responder diretamente para Barrow, Toledo também afirmou que suas músicas antigas foram reproduzidas quase 10 milhões de vezes. Ele ainda ressalta o uso do Distrokid, uma plataforma que permite que artistas independentes publiquem suas músicas em redes de streaming pagando apenas uma taxa anual de 20 dólares — assim, o serviço permite que o artista fique com todo o lucro das execuções das faixas.

No entanto, é interessante ressaltar que a matemática do músico é um pouco… estranha. Ao afirmar que conseguiria viver exclusivamente com os streams de seus álbuns antigos, Toledo está basicamente dizendo que sobreviveria com um “salário” de 620 dólares ao mês — um valor relativamente baixo para o padrão de vida americano.

Isso sem contar que, no caso da grande maioria das bandas, esse lucro é dividido entre vários membros. O caso de Will é atípico: o Car Seat Headrest foi criado como um projeto solo, onde o músico gravava todos os instrumentos em sua própria casa.

Desse modo, ele chegou a lançar cerca de oito (!) álbuns em um período de três anos. Após assinar com a gravadora Matador, a banda virou um projeto completo e, desse modo, chegou a lançar dois álbuns gravados em estúdios convencionais com outros membros.

Com o sucesso de Teens of Denial, seu mais recente álbum, o grupo alcançou um nível de sucesso ainda maior. Como mencionado anteriormente, Toledo havia afirmado que seu material solo possuía cerca de 10 milhões de execuções no Spotify — para fins de comparação, o single “Drunk Drivers/Killer Whales” possui, por conta própria, quase 8 milhões de execuções no Spotify.

Mesmo assim, nem todas as bandas menores possuem esse tipo de números. Além disso, o fato do Spotify pagar cerca de metade (!) do valor que seus concorrentes — como TIDAL e Apple Music — pagam aos artistas abre espaço para críticas como as de Yorke e Barrow.

É claro que, atualmente, a exposição que as plataformas de streaming dão à essas bandas é muito importante para que se consiga uma fanbase maior. Isso acaba se transformando em mais ingressos de shows vendidos, ou então mais lucro com CDs e Merch. É valido também ressaltar que, sem essas plataformas, é muito possível que bandas como o Car Seat Headrest nunca tivessem conseguido conquistar seu espaço na cena.

Você pode conferir todos os tweets da discussão logo abaixo e tirar suas próprias conclusões. Você acha que Yorke e Barrow estão certos, ou concorda com Will Toledo?

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar