Billy Corgan em programa de televisão
Foto: Reprodução / Youtube
 

Recentemente Billy Corgan falou sobre seu novo álbum, Ogilala, para o site INews.

Na entrevista, o cantor disse que perdeu a “guerra” para a indústria fonográfica, junto à sua influência como um dos maiores nomes da música alternativa dos anos 90. Após o afastamento dos Smashing Pumpkins, Corgan adquiriu mais tempo para viver sua vida.

Isso levou o vocalista a escrever de forma mais livre, sem pressões comerciais ou artísticas em cima de seu trabalho. E foi daí que nasceu Ogilala:

Comecei a escrever músicas para mim e apenas para mim. Eu estava viajando pela América e percebi que ainda há muito para se escrever a respeito. Ainda há pessoas que machucam as outras. Isso me fez pensar: temos que sair dessa festa de caridade e voltar ao trabalho.

Ele ainda comparou a produção do álbum a uma “carta de suicídio”, onde a pessoa pode escrever coisas que não teria coragem de dizer normalmente. Para Corgan, o último álbum com o mesmo nível de “confissão” foi Siamese Dream, lançado em 1993 pela banda. Segundo ele, “algo precisa morrer enquanto algo precisa viver”.

No entanto, é claro que isso não foi dito de maneira literal. A morte mencionada pelo cantor seria apenas simbólica:

Envolve várias forças complicadas. Tem a tristeza, tem a aceitação, tem o perdão e tem a esperança que, por este ato de contrição celestial, você poderá entrar em um novo espaço.

 

Vale lembrar também que recentemente ele falou sobre como prefere não comentar as mortes de músicos como Chester Bennington e Chris Cornell, dizendo que devemos viver o presente e dar valor a ele todos os dias.

Corgan e Rick Rubin

Tendo escrito dezenas de letras, estava na hora de Billy procurar um produtor. Quando foi atrás de Rick Rubin, que já trabalhou com nomes como Red Hot Chili Peppers, Aerosmith, Linkin Park e Johnny Cash, o cantor ficou surpreendido com seu entusiasmo.

Ogilala pode ser considerado um renascimento do vocalista do Smashing Pumpinks, que agora largou seu apelido “Billy”: William Patrick Corgan é quem assina o álbum.

 

Por que o nome completo?

Corgan se apresentou no último sábado no programa This Morning Saturday, da CBS. Lá, o músico apresentou três canções de seu novo trabalho: “Aeronaut“, “The Long Goodbye” e “To Sheila“.

Além disso, o cantor explicou o porquê de optar por assinar o álbum com seu nome completo (tirando o “Jr.” do final):.

Comecei a me sentir confortável e ao mesmo tempo um pouco estranho, como se fosse um sinal da minha arrogância ou algo assim. Então, quando me dei conta de que eu irritava as pessoas, pensei ‘Ok, preciso fazer isso’.

Recentemente, o músico também contou qual foi a sua reação ao ouvir pela primeira vez “Smells Like Teen Spirit”, clássico da banda Nirvana.

Ogilala foi lançado este mês, e já está disponível em todos os serviços de streaming.

Assista às performances de William Patrick Corgan abaixo:

 
Nosso site utiliza de cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Consulte nossa Política.