Tom Petty em casa
Foto: Genaro Molina / Los Angeles Times
   

A morte de Tom Petty chocou o mundo da música.

Como noticiado pelo TMDQA!, o artista de 66 anos foi encontrado inconsciente em casa, na cidade de Los Angeles, após sofrer um ataque cardíaco. Petty faleceu na segunda-feira (02).

Uma semana antes do acontecido, enquanto realizava uma série de shows em comemoração ao 40º aniversário do The Heartbreakers, o músico concedeu uma entrevista ao Los Angeles Times onde falou sobre planos para o futuro, a importância sobre se manter criando e em como escutar música ainda o inspirava.

“Se eu não estou criando, não me sinto conectado a nada. Gosto de sair da cama e ter um propósito”, confessa Tom Petty, que comparou o ato de criar à pesca. “Às vezes você consegue ter um peixe no barco, às vezes não.”

Autor de “American Girl”, um grande clássico do Rock And Roll, Tom se mostrou um apaixonado por entrar no estúdio e escutar suas músicas sendo tocadas. “Entrar no estúdio e ouvir a banda tocar uma nova canção pela primeira vez é sempre excitante. Sim, eu amo o estúdio. Eu amo entrar em estúdio tanto quanto eu amo subir no palco”, afirmou.

Ao falar sobre o que poderia acabar com os Heartbreakers, uma infeliz profecia veio à tona:

Só se um de nós caísse. Se um de nós morresse ou ficasse doente… Somos todos mais velhos agora. Aí nos iríamos parar. Eu acho que seria o fim se alguém não pudesse mais fazer parte.

Responsável por atualizar o “Tom Petty’s Buried Treasure”, um canal de música da SiriusXM, o músico disse que passaria a noite inteira ouvindo discos. “Eu poderia vir para casa e gastar o resto da minha noite deitado no chão escutando música. É como um filme pra mim.”

“O objetivo sempre foi mover as pessoas, mudar o mundo e eu realmente acreditei no rock n’ roll – ainda acredito”, afirmou Tom ao explicar o objetivo de ter uma banda e o motivo por se manter na estrada por tantos anos. “Isso vai muito além dos negócios. É por algo muito maior.”

Ao longo de sua carreira, Tom Petty vendeu 20 milhões de cópias só nos Estados Unidos. Wildflowers, álbum mais vendido do artista, vendeu aproximadamente 3 milhões de cópias.

 
Compartilhar