Cena de
Foto: Divulgação/Twentieth Century Fox
 

Mais uma edição do Festival do Rio está prestes a ser iniciada.

Na noite desta quinta-feira (5), o evento terá abertura, no Cine Odeon, na Cinelândia, com a exibição de A Forma da Água, novo trabalho do aclamado diretor Guillermo del Toro. O longa do cineasta mexicano é ambientado na década de 1960 e trata das grandes transformações sociais ocorridas nos Estados Unidos, ao mesmo tempo em que envolve a temática dos conflitos políticos e bélicos. No elenco principal estão Sally Hawkins, Michael Shannon e Richard Jenkins. Já o filme escolhido para encerrar o evento, no sábado (14), também no Odeon, foi Roda Gigante, dirigido por ninguém menos que Woody Allen e estrelado por Justin Timberlake e Kate Winslet.

Esta vai ser a primeira vez que o Festival do Rio não conta com o apoio da Prefeitura, afundada na crise econômica há meses. A falta de verba pública se reflete, inclusive, no número de obras participantes no evento deste ano: apenas 250. Em anos anteriores, o festival chegou a exibir até 500 títulos. Entre os destaques da 19ª edição do Festival do Rio estão Last Flag Flying, de Richard Linklater, As Entrevistas de Putin, de Oliver Stone, Minha Adorável Lavanderia, de Stephen Frears, How to Talk to Girls at Parties, de John Cameron Mitchell, Me Chame Pelo Seu Nome, de Luca Guadagnino, e 120 Batimentos por Minuto, de Robin Campillo.

A Première Brasil, mostra competitiva do evento, exibirá neste ano 33 produções inéditas, sendo 22 longas e 11 curtas-metragens nacionais. As categorias que competem no Festival do Rio são as de Longa-Metragem de Ficção; Longa-Metragem Documentário; Curta-Metragem; Direção de Ficção; Direção de Documentário; Ator; Atriz; Atriz Coadjuvante; Ator Coadjuvante; Roteiro; Montagem; Fotografia; Prêmio Especial do Júri; Longa-Metragem de Ficção de Voto Popular; Longa-Metragem Documentário de Voto Popular e Curta-Metragem de Voto Popular. Sobre valores, quem se sagrar vencedor da categoria de melhor Longa-Metragem de Ficção receberá R$ 200 mil, enquanto o filme ganhador da mostra Novos Rumos será premiado com R$ 100 mil.

Já a Mostra Geração, dedicada ao cinema produzido para crianças e adolescentes, vai eleger seu Melhor Filme, que receberá o Prêmio Geração, por meio de um júri composto por nomes associados ao cinema, cultura e educação. Há ainda o Prêmio Felix, que elege, pelo quarto ano consecutivo, o Melhor Filme de Ficção e Melhor Documentário dentro da temática LGBTQ através de uma seleção de 32 longas e quatro curtas-metragens. O júri oficial do Prêmio Felix é composto pelo jornalista Eduardo Graça, pela diretora de teatro, cineasta e antropóloga Isabel Penoni e por João do Corujão, curador executivo do Corujão da Poesia-Universo da Leitura e do Programa Libertação dos Livros). Para conferir a programação completa deste ano, acesse aqui.

Confira a seguir a lista de longas em competição no Festival do Rio 2017:

Competição Ficção

“Açúcar”, de Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira

“Alguma Coisa Assim”, de Esmir Filho e Mariana Bastos

“Animal Cordial”, de Gabriela Amaral Almeida

“Aos Teus Olhos”, de Carolina Jabor

“Boas Maneiras”, de Juliana Rojas e Marco Dutra

“Como é Cruel Viver Assim”, de Júlia Rezende

“O Nome da Morte”, de Henrique Goldman

“Praça Paris”, de Lúcia Murat

“Unicórnio”, de Eduardo Nunes

Competição Documentário

“Cartas para um Ladrão de Livros”, de Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini

“Dedo na Ferida”, de Silvio Tendler

“Em Nome da América”, de Fernando Weller

“Iran”, de Walter Carvalho

“Pastor Cláudio”, de Beth Formaggini

“Piripkura”, de Mariana Oliva, Renata Terra, Bruno Jorge

“SLAM: Voz De Levante”, de Tatiana Lohmann e Roberta Estrela D’Alva

Competição Novos Rumos

“A parte do Mundo que me Pertence”, de Marcos Pimentel

“Amores de Chumbo”, de Tuca Siqueira

“Até o Próximo Domingo”, de Evaldo Mocarzel

“Copa 181”, de Dannon Lacerda

“O Muro”, de Lula Buarque, DOC

“Vende-se Esta Moto”, de Marcus Faustini

Curtas Mostras Competitivas

“Adeus à Carne”, de Júlia Anquier

“Alcibíades”, de Breno Nina

“O Bagre de Bolas”, de Luiz Botosso e Thiago Veiga

“Borá”, de Angelo Defanti

“Maria”, de Lucas Pena

“Namoro à Distância”, de Carolina Markowicz

“Vaca Profana”, de René Guerra

Novos Rumos curta-metragem

“Atrito”, de Diego Lima

“Capitão Brasil”, de Felipe Arrojo Poroger

“Sandra Chamando”, de João Cândido Zacharias

“Tailor”, e Calí dos Anjos

Hors Concours (mostra não competitiva)

“Entre irmãs”, de Breno Silveira

“Gabriel e a Montanha”, de Fellipe Barbosa, 131 min

“Legalize Já!”, de Johnny Araújo e Gustavo Bonafé, 90 min

“Motorrad”, de Vicente Amorim, 92 min

“Zama de Lucrecia Martel”, 120 min

“BIO”, de Carlos Gerbase, 105 min

Prêmio Felix

Abertura
“A Forma da Água”, de Guillermo del Toro (EUA)

Panorama do Cinema Mundial
“120 Batimentos por Minuto”, de Robin Campillo (França)

“Me Chame Pelo Seu Nome”, de Luca Guadagnino (Itália/ França)

“Discreet”, de Travis Matthews (EUA/ Brasil)

“Anos Dourados”, de André Téchiné (França)

“Lola Pater”, de Nadir Moknèche (França)

“Thelma”, de Joachim Trier (Noruega/ França/ Dinamarca/ Suécia)

“Tom of Finland”, de Dome Karukoski (Finlândia/ Suécia/ Dinamarca/ Alemanha/ EUA)

“How to Talk to Girls at Parties”, de John Cameron Mitchell (EUA)

“A Guerra dos Sexos”, de Jonathan Dayton e Valerie Faris (Reino Unido/ EUA)

“A Festa”, dir Sally Potter (Reino Unido)

“As Entrevistas de Putin”, de Oliver Stone (EUA)

“Thirst Street”, de Nathan Silver (França/ EUA)

“Berenice Procura”, de Allan Fiterman (Brasil)

Expectativa 2017
“God’s Own Country”, de Francis Lee (Reino Unido)

“Conversa Fiada”, de Hui-chen Huang (Taiwan)

“They”, de Anahita Ghazvinizadeh (EUA/ Qatar)

“Ocidental”, de Neïl Beloufa (França)

Première Latina
“Casa Roshell”, de Camila José Donoso (México/ Chile)

“Santa & Andres”, de Carlos Lechuga (Colômbia/ França/ Cuba)

“Vergel”, de Kris Niklison (Brasil/ Argentina)

Midnight
“As Misândricas”, de Bruce LaBruce (Alemanha)

“Sal”, de Diego Freitas (Brasil)

Midnight Música
“Grace Jones: Bloodlight and Bami, de Sophie Fiennes (Irlanda / Reino Unido)

“Serguei O Último Psicodélico”, de Ching Lee e Zahy Tata Pur’gte (Brasil)

Felix Apresenta: Clássicos do Queer Britânico
“Orlando – A mulher Imortal” (Orlando), de Sally Potter (Reino Unido / Rússia / Itália / França)

“Eduardo II”, de Derek Jarman, (Reino Unido)

“Minha Adorável Lavanderia, de Stephen Frears (Reino Unido)

Foco Itália
“Uma família”, de Sebastiano Riso (Itália)

Itinerários Únicos
“Marcelo Gomes – Anatomia de um Dançarino”, de David Barba e James Pellerito (Estados Unidos / Brasil / Grécia / Japão / Rússia)

“Queercore: How to Punk a Revolution”, de Yony Leyser (Alemanha)

Première Brasil: Competição
“Alguma Coisa Assim”, de Esmir Filho e Mariana Bastos (Brasil / Alemanha)

“As Boas Maneiras”, de Juliana Rojas e Marco Dutra (Brasil / França)

“Vaca Profana”, de René Guerra (Brasil)

Première Brasil: Novos Rumos
“Vende-se Esta Moto”, de Marcus Faustini (Brasil)

“Até o Próximo Domingo”, de Evaldo Mocarzel (Brasil)

“Copa 181”, de Dannon Lacerda (Brasil)

“Sandra Chamando”, de João Cândido Zacharias (Brasil)
Tailor, dir. Calí dos Anjos, Brasil

Première Brasil: Hors Concours
“Entre Irmãs”, de Breno Silveira (Brasil)

“O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro (Brasil)

 
Nosso site utiliza de cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Consulte nossa Política.