Rock in Rio, dia 15. Foto por Lucas Dumphreys
 

A organização do Rock in Rio tinha um desafio em 2017: transferir a Cidade do Rock do Parque dos Atletas, local em que foram realizadas edições passadas, para o Parque Olímpico, legado das Olimpíadas de 2016 na cidade do Rio de Janeiro. E, cá entre nós, foi uma jogada certa.

Entre os palcos, inúmeras atrações para divertir o público e complementar a experiência de quem vai ao evento. Muito mais que um festival de música, nos últimos anos o Rock in Rio se consolidou na cidade como um verdadeiro parque de diversões – a música apenas faz parte do passeio.

Entretanto, o festival deu o pontapé inicial já permeado por uma aura de ansiedade e um certo descontentamento entre o público. Principal nome da noite de abertura, Lady Gaga cancelou sua aguardada apresentação na véspera devido a fortes dores decorrentes da fibromialgia. O Maroon 5 foi responsável por preencher a noite desfalcada por Gaga – e não fez feio. A banda fez uma apresentação eficiente, entregando ao público meio murcho inúmeros hits radiofônicos.

Rock in Rio, dia 15. Foto por Lucas Dumphreys

Nos três dias seguidos, o palco Mundo foi aberto com uma grandiosa queima de fogos e uma atração nacional. Ivete Sangalo na sexta; Skank no sábado; e Frejat no domingo. Ivete, visivelmente grávida de gêmeos, cantou “Imagine”, de John Lennon, ao lado de Gisele Bündchen logo após a modelo lançar uma campanha ecológica na abertura do festival. O vocalista do Skank, Samuel Rosa, mandou um recado para os políticos brasileiros: “Vocês são piores que ladrões, vocês matam gente.” O discurso foi seguido de “Indignação”, do primeiro álbum da banda. Frejat trouxe para sua apresentação solo diversas de suas parcerias com Cazuza, e ainda uma homenagem a Luiz Melodia, falecido recentemente. Quem assistia o show cantou junto praticamente todos os sucessos do repertório.

O repeteco do Maroon 5 no sábado (16) foi assistido por um público bem mais empolgado e apaixonado por Adam Levine e cia. O mesmo que não deixou a peteca cair durante a apresentação de Fergie momentos antes, repleta de problemas técnicos. A cantora levantou o pessoal com um medley de sucessos do Black Eyed Peas, que ocupou boa parte do setlist, além dos seus poucos singles – “Fergalicious”, “Glamorous” e “Big Girls Don’t Cry”. Shawn Mendes fez um show carismático no segundo dia, diferente da banda de pop rock Walk The Moon no domingo, que precisou se esforçar um pouco para animar uma massa de pessoas que não estavam próximas ao palco e esperavam ansiosamente Alicia Keys e Justin Timberlake.

Os dois, aliás, deram belíssimos shows, embora com fórmulas muito parecidas com as performances da edição de 2013. Alicia recebeu no palco Sonia Guajajara, representante da comunidade indígena, que defendeu a demarcação de terras na Amazônia, Dream Team do Passinho Pretinho da Serrinha. A própria Alicia arriscou um passinho e garantiu a noite com a sequência final de músicas: “Girl On Fire”, “No One” e “Empire State of Mind”. Já o público de Justin vibrou com “My Love”, “Señorita”, a icônica “Sexy Back”, e a simpatia do cantor pop ao autografar uma bandeira brasileira no início do show e tirar uma selfie com fãs na grade.

O palco Sunset foi cenário de grandes encontros nesses primeiros três dias, entrelaçando nomes nacionais e internacionais. A inquestionável química de Céu e Boogarins, a noite de jazz de Maria Rita e Melody Gardot, Rael e a ovacionada Elza Soares, a união “lacradora” de Johnny Hooker, Liniker e Almério – só para mencionar alguns. Não posso deixar de citar a incrível apresentação da lenda Nile Rodgers e Chic no domingo, que levou o público direto para os dias de discoteca dos anos 70.

Rock in Rio, dia 17. Foto por Lucas Dumphreys

Não dá para deixar de comentar sobre o grande destaque e um dos nomes mais comentados dentro da Cidade do Rock, e que não está no lineup oficial. Pablo Vittar arrastou uma multidão numa apresentação de última hora na sexta-feira, num espaço pequeno de um dos patrocinadores do festival. Nem o som baixo e a visão precária de quem estava longe do palco impediu que o público cantasse hits como “KO”, “Open Bar” e a parceria da cantora drag com Anitta, “Sua Cara”. O feito se repetiu no dia seguinte: Pablo cantou o hit de Major Lazer no palco Mundo, bem ao lado de Fergie.

O Rock in Rio continua na próxima quinta-feira (21) e você pode acompanhar nossa cobertura pelos canais oficiais do TMDQA!.

 

 
 
Compartilhar