Chris Cornell e Tom Morello (Audioslave)
Foto: Reprodução / Instagram
 

O lendário guitarrista Tom Morello (Rage Against The Machine, Audioslave, Prophets of Rage) participou de uma entrevista na rádio WRIF de Detroit para conversar sobre o lançamento do primeiro disco homônimo do Prophets of Rage, com data prevista para o dia 15 de Setembro, mas não escapou de um dos assuntos mais recorrentes no mercado da música esse ano: as mortes prematuras de Chris Cornell e Chester Bennington.

Apesar do clima descontraído da entrevista, Tom expôs o seu pesar com o falecimento do amigo de longa data e ex-companheiro de banda, e revelou que seu período de luto pode demorar muito mais que o previsto para se esgotar:

Eu acho que eu nunca irei me recuperar da morte dele [Chris Cornell], mas nós temos muitas lembranças boas. E eu sou muito grato por ter tido a chance de… nós fizemos um show como Audioslave – o primeiro em 12 anos – em Janeiro, então ter a possibilidade de me reconectar com ele, tanto como amigos quanto como músicos colaboradores, é algo que eu sou muito grato por podermos ter feito.

Ainda falando sobre Chris, Morello disse que o reencontro do Audioslave poderia ter se estendido ao longo de 2017 e talvez até rendido algumas músicas novas para os fãs:

Eu vi o Chris em Janeiro, nos falamos por mensagem algumas vezes após esse evento. E ele era um cara incrível. Em uma escala de 0 a 100, ele era 100. Um cara feliz, com uma família bonita. Nós até conversamos sobre trabalhar em músicas novas do Audioslave esse ano, então isso é uma pena…

Obviamente Chester Bennington também foi lembrado ao longo da entrevista, já que o seu falecimento teve um certo grau de conexão com o do amigo Chris Cornell. O DJ da rádio norte-americana também lembrou que Tom Morello já havia colaborado com o Linkin Park (na faixa instrumental “Drawbar”, do disco The Hunting Party) e perguntou sua opinião sobre o assunto:

É insano, uma perda horrível para o mundo da música, mas também uma perda terrível no geral, porque os dois eram…eu não conhecia o Chester tão bem, mas eles eram duas pessoas muito boas. E ambas as mortes me parecem muito inexplicáveis.

Tom ainda fez um apelo pela necessidade de darmos mais atenção à epidemia crescente de depressão que afeta milhares de pessoas ao redor do mundo:

Eu não sofro de depressão, então eu não a compreendo, mas você realmente tem que… Para todos os ouvintes por aí, se você conhece alguém enfrentando um vício ou problemas de depressão, isso é algo muito real, então sempre deixe bem claro que você está disponível para essa pessoa. Nós temos que cuidar uns dos outros.

Ouça a entrevista na íntegra através do link abaixo: