KoRn
Foto: Dean Karr / Divulgação
   

No último dia 20 de Julho, quando Chester Bennington foi encontrado morto em sua casa após suicídio, muita gente falou a respeito do assunto e deu diversos tipos de opinião.

Uma dessas pessoas foi Brian “Head” Welch, guitarrista do KoRn, que pouco tempo após a notícia utilizou as suas contas nas redes sociais para falar sobre como Chester (e Chris Cornell) haviam optado pela saída “covarde”, deixando para trás amigos e familiares:

Estou cansado dessa merda de suicídio! Eu lutei contra a depressão/doenças mentais e estou tentando ser compreensivo, mas é difícil quando você está puto! De uma vez por todas! Desistir dos seus filhos, fãs e da vida é a saída covarde! Não estou tentando ser insensível… Só estou tendo um dia emotivo. Te amo Chester. E Chris.

Pois bem, mais de dez dias após as declarações ele parece ter se arrependido e pedido desculpas em uma entrevista para a rádio WRIF, dizendo:

Foi infeliz. Eu falei com o coração partido, quebrado, devastado e com muita dor. E eu teria me expressado diferente. Mas quando na história do rock, ou na história da indústria da música, tivemos algo assim?

Vozes monstruosas, inspirações para tanta gente. Chris Cornell tirou a própria vida e meu coração ficou partido. Eu não o conhecia de perto, mas foi tipo… você espera isso de gente que está com a vida confusa, não de um cara que tem uma família e está bem. E nós ouvimos várias versões, talvez foi o Ativan [remédio] o responsável. Trágico, certo? Aí eu passei a me sentir bem depois disso, porque alguns meses se passaram.

Aí acordamos e recebemos a notícia do Chester pela TMZ. Eu fiquei tipo ‘Isso só pode ser falso. Tem que ser uma notícia falsa. Não pode ser verdade.’ Aí eu descobri que era verdade e ficamos todos devastados; você deveria ver a nossa cara. Ficamos em estado de choque. A banda inteira estava falando disso.

O que aconteceu é que eu comecei a entrar no processo de luto. Eu saí e fiquei sozinho. Fui ao quarto do hotel e meio que fiquei lá parado, em choque, pensando em ler tudo a respeito. ‘É verdade? Eles têm certeza? Eles têm certeza de que receberam a notícia certa?’ E aí eu fiquei tipo ‘Chega, cara. Parem!’ Dois caras estão mortos agora. Eles tiraram as próprias vidas. Aí eu fico sabendo que Chester o fez no dia do aniversário de Chris. Eu fiquei enlouquecido. Pensei tipo, ‘Isso tem que ter fim.’

Sabe, o Slash colocou tudo de um jeito melhor. Enquanto eu twittava ele disse, ‘Uma avalanche de emoções e sentimentos: tristeza, raiva, confusão, perda, coração partido.’ Ele disse, ‘Eu posso continuar, mas a perda e o coração partido imperam por aqui.’

E eu acho que estava passando por todo o processo, e o fiz online. Então eu aprendi a não processar a dor online. E peço desculpas aos fãs dele – eu não quis desrespeitá-lo. Eu estava despedaçado, de coração partido e muito triste pelos meus bons amigos que eram tão próximos de mim. E já se passou mais de uma semana. É uma coisa muito triste.

A gente sempre lembra por aqui que depressão e problemas mentais são assuntos muito sérios e há várias formas de se pedir ajuda. Também lembra que se você conhece alguém que esteja passando por dificuldades, é fundamental entender a pessoa para ajudá-la. Nada de bom pode surgir ao se diminuir essas questões a expressões como “isso é coisa da sua cabeça”.

Para ajuda imediata, via telefone, Internet e redes sociais, você pode encontrar o Centro de Valorização da Vida, clicando aqui.