Se você é fã do grupo, provavelmente já viu que o Fall Out Boy lançou um single bem “curioso” recentemente.

E ao sentar para conversar com a NME sobre a nova direção da banda, o baixista Pete Wentz falou um pouco sobre o estado atual do rock e sua popularidade.

Eu acho que está na geladeira. Aqui nos Estados Unidos, hip-hop é super legal para as crianças. Eu olho pro Snapchat no Coachella e é isso que é o rock agora — é o hip-hop. Eu acho que se o rock quer ser culturalmente relevante em um nível gigante, você precisa estar com a mente aberta para atualizá-lo e mudá-lo e fazê-lo ficar um pouco estranho. Se você não faz, fica bizarro. Isso não é algo que nós curtimos muito.

A coisa interessante é que quando eu converso com amigos rockeiros, eles falam ‘o próximo Nirvana está vindo, o próximo Nirvana está vindo’, e eu falo tipo, ‘Sim, o próximo Nirvana está vindo, mas não na forma do Nirvana. Será tipo o Jaden Smith ou sei lá’. A razão pela qual o Nirvana era destruidor era porque foi uma onda que veio do nada. Procurar por algo que soa como aquilo não vai funcionar.

Por fim, o músico ainda comentou sobre o grime, sub-gênero do hip-hop criado na Inglaterra, estar finalmente infiltrando a cultura americana:

Quando você ouve o Drake e vê as pessoas se vestindo como ele, sabe, você ouve o remix de Ed Sheeran pelo Stormzy e coisas do tipo. Mas eu não acho que isso ainda teve seu momento pop. Está borbulhando por baixo da superfície, tanto que, quando estourar, será massivo.

A cultura americana é tão distintivamente americana que é difícil para nós entendermos outras ideias culturais a menos que elas sejam ‘Americanizadas’ primeiro. Tipo, nós temos comida tailandesa mas daí eles falam ‘vamos colocar maionese nela!’, precisa ser um pouco emburrecido para nós.

E aí, você concorda com as opiniões do músico?

 
Compartilhar