Conforme reportamos anteriormente, grandes nomes da música norte-americana estão envolvidos em um projeto que visa homenagear o início da música moderna nos EUA. Entre alguns artistas da lista, temos Jack White, Elton John e Alabama Shakes. O projeto se chama American Epic, e resume-se a um filme, a uma série documental e a álbuns que trazem como temática a música dos anos 20.

Jack White e sua gravadora, a Third Man Records, disponibilizaram detalhes sobre os álbuns que serão lançados para divulgação do projeto. Quatro dias antes do lançamento do filme, no dia 12 de Maio, a gravadora lançará, tanto fisicamente quanto digitalmente, dois álbuns contendo a trilha sonora do projeto. Os nomes são American Epic: The Soundtrack e American Epic: The Collection.

The Soundtrack conterá 15 músicas “restauradas” de artistas da época, como The Carter Family e Charley Patton. Enquanto isso, The Collection será uma coletânea dividida em cinco discos, totalizando 100 clássicos renovados.

Em comunicado oficial, a gravadora deixa claro que não usará o termo “remasterização”:

Isso não é remasterização, no sentido normal, mas algo mais próximo de ‘restauração de belas artes’. A intenção não é que as pessoas se maravilhem com a antiguidade desses discos, mas sim que as experimentem como performances vitais que conseguem falar com a gente de forma tão direta como se fossem atuais. Não é simplesmente uma grande arte para aquele tempo, mas grande arte para todos os tempos.

Além disso, diversos álbuns serão lançados em homenagem a artistas específicos da época: haverá um álbum para Mississipi John Hurt, para Blind Willie Johnson, para Leadbelly e para outros. Álbuns filtrados por gêneros famosos na década também serão lançados: American Epic: Blues e American Epic: Country.

 

A influência dos anos 20 na música popular

Não foi à toa que os produtores do projeto escolheram justamente os anos 20 para homenagear. Essa década foi responsável por ditar um rumo que seria seguido pela música popular até os dias de hoje.

A época data o surgimento do rádio. A partir desse momento, a indústria musical nunca mais seria a mesma. Como primeiro meio de comunicação de massa, o rádio proporcionou grande alcance e imediatismo para a música. Passou então a ser necessária a procura de novos nomes, e é aí que as gravadores começaram a ter trabalho.

A indústria precisou se reinventar, saindo dos centros urbanos para se expandir. Assim surgiram talentos inesperados. A voz passou a ser dada a todos, representando a primeira grande revolução na música. “Foi a primeira vez que a América se ouviu”, diz a Third Man Records.

As gravações da época se davam de forma muito diferente das atuais. Não havia possibilidade de erro; o artista só tinha uma tentativa de gravação. O que era ouvido nas rádios era diretamente o que foi gravado, sem a pós-produção.

E por essa experiência passarão os artistas contemporâneos selecionados para gravar mais um álbum do projeto, American Epic: The Sessions. “Reinventada” pelo engenheiro eletricista Nicholas Bergh, uma máquina que se assemelha ao modelo de gravação usado nos anos 20 será a responsável por fazer com que esses artistas experimentem o começo da chamada Era do Rádio. As gravações terão de ser feitas em três minutos, diretamente para o disco.

The Sessions tem previsão de lançamento para 9 de Junho. Alguns dos álbuns já podem ser obtidos para pré-venda através do site oficial da gravadora.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!