Ouça playlist com clássicos do Rock!  

Na época de sua morte, no final de 2015, acreditava-se que Lemmy Kilmister, frontman do Motörhead, era um dos homens mais ricos do rock — o que quase desencadeou uma batalha legal pelo patrimônio do músico.

Com base no imenso sucesso do Motörhead, com seus milhares de discos vendidos e inúmeras turnês realizadas, quando a fortuna do baixista foi inicialmente avaliada em cerca de R$ 26 milhões, poucas pessoas duvidaram. No entanto, após um longo período de investigações, foi determinado que o patrimônio de Lemmy vale “apenas” R$ 2 milhões.

Apesar de não ser um valor ruim de maneira alguma, o patrimônio do músico é muito pequeno se comparado ao seu status no mundo da música, principalmente considerando que muitos artistas bem mais novos — e muitas vezes influenciados por Lemmy — possuem uma fortuna muito maior com uma carreira muito mais curta.

Até a sua morte, aos 70 anos, Lemmy vivia em um apartamento alugado em Los Angeles e, enquanto não estava na estrada, o músico geralmente passava seu tempo livre bebendo em um bar do outro lado da rua — muitas vezes jogando poker. Então, no final das contas, o estilo de vida do baixista não era luxuoso.

O curioso disso tudo é que o site Mirror afirma que parte da fortuna do músico “acabou desaparecendo”, indicando que parte do dinheiro pudesse ter sido desviado por alguém. No entanto, o site é conhecido como uma espécie de tabloide na Inglaterra, então a informação tem que ser levada sempre com um pé atrás.

O receptor majoritário do patrimônio do músico será o filho do cantor, Paul Inder.

Por falar em Lemmy, fique com o vídeo dessa “lareira” sensacional em homenagem ao músico.

Vê logo umas 3 dessas, por favor? #Motorhead

Posted by Tenho Mais Discos Que Amigos on Thursday, March 2, 2017

 
Compartilhar