Semana passada, um atirador invadiu uma boate gay em Orlando e matou 49 pessoas, ferindo outras 53. O acontecimento moveu pessoas ao redor do mundo todo, e diversos artistas fizeram várias declarações sobre o incidente.

Essa semana, o cantor Frank Ocean postou uma emocionante carta em seu Tumblr sobre o ato. No texto, Ocean reflete sobre o incidente ao mesmo tempo em que utiliza memórias bem pessoais de sua família para relatar o ódio existente contra a comunidade LGBT.

Você pode ler na íntegra logo abaixo:

Eu li nos jornais que meus irmãos estão sendo jogados de telhados vendados com as mãos amarradas em suas costas por violarem a Charia [direito Islâmico]. Eu ouvi que o povo apedreja esses homens caídos se eles se moverem após atingirem o chão. Eu ouvi que é em nome de Deus. Eu ouvi meu pastor falando por Deus também, citando escrituras do livro dele. Palavras como ‘abominação’ saltaram da minha pele como gordura quente à medida em que ele foi descrevendo um lago de fogo que Deus desejava que eu estivesse dentro. Eu ouvi nos noticiários que o resultado de um crime de ódio deixou pilhas de corpos em uma pista de dança esse mês. Eu ouvi que o atirador se fingiu de morto junto de todas as pessoas que ele matou. Eu ouvi os noticiários dizerem que ele era um de nós. Eu tinha seis anos de idade quando eu ouvi meu pai chamar uma garçonete transgênera de ‘viado’ enquanto ele me arrastava pra fora de um restaurante dizendo que ele não seria servido porque ela era suja. Aquela foi a última tarde que eu vi meu pai e a primeira vez que eu ouvi aquela palavra, eu acho, embora não me chocaria se não tivesse sido. Muitos nos odeiam e desejam que nós não existíssemos. Muitos se irritam pelo nosso desejo de nos casarmos como todas as outras pessoas, ou de usar o banheiro correto como todas as outras pessoas. Muitos não veem nada de errado em passar adiante esses mesmos valores antiquados que deixam milhares de crianças em depressão suicida todo ano. Então nós dizemos ‘Orgulho’ e expressamos amor por quem e o que somos. Porque, sinceramente, quem mais fará isso? Eu sonho com a ideia de que talvez todas essas barbaridades e transgressões contra nós são uma reação igual e oposta para algo melhor acontecendo nesse mundo, uma grande onda de compreensão e vigilância por aí. A realidade em comparação parece cinza, algo não preto nem branco, mas também frio. Todos nós somos filhos de Deus, eu ouvi. Eu deixei meus irmãos fora disso e falei com meu criador diretamente e eu acho que ele soa muito como eu. Como se eu sendo eu mesmo fosse melhor em ser desapegado da minha própria história de um jeito que eu mesmo nunca poderia ser. Eu quero saber o que os outros ouvem, eu estou com medo de saber mas eu quero saber o que todos ouvem quando eles falam com Deus. Será que os insanos ouvem uma voz distorcida? Será que os doutrinados ouvem uma voz completamente diferente?

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!  
Compartilhar