Groezrock 2016
Ouça a Playlist Climão de Dia dos Namorados!   Ouça o novo álbum do Melim!  

Aqui contamos a experiência do Diário de Palco no acampamento do Groezrock. Para saber sobre os shows, veja a primeira parte desta publicação no link abaixo:

Sem assistir a shows pelo celular, 33 mil celebram festival Groezrock

Acampar em um festival exige um gás para lidar com caos ao lado da diversão. Além dos riscos normais como chuva e lama, você também precisa lidar com milhares de vizinhos desconhecidos e comportamentos inesperados, como uma sessão de lutas de boxe amador que rolou no Groezrock 2016, durante os dias 28 e 30 de Abril.

Camping

Os dias de festival são oficialmente sexta e sábado, porém é possível chegar ainda na quinta-feira e viver o Groezrock por três noites. Nesta primeira noite rola uma pre-party oficial só com DJs. Quem tiver pique e quiser mais espaço para montar uma barraca extra ou uma tenda, por exemplo, é o dia perfeito. Esta primeira noite antes do evento oficial é comum em festivais na Europa.
Apesar do lamaçal pelas áreas de acesso, o local onde as barracas estavam de fato se manteve sempre em boas condições. Para decidir onde montar sua barraca, é bom levar em conta o seu pique para caminhar e se não te incomoda dormir ouvindo música, já que a after-party (neste ano) era ao lado da entrada do camping. Até mesmo lá do fundo era possível escutar a música até às 4h da manhã. Por último, estude bem o caminho para a sua barraca: durante a noite quase não há luz e a disposição delas ao redor provavelmente será diferente de quando você chegou.

Comparado a outros festivais, o espaço é relativamente pequeno e há somente um camping, com uma caminhada máxima de 20 minutos até a entrada do festival. Durante a madrugada encontramos uma galera com amplificadores e um tosco jogo de luzes tocando Britney Spears e Spice Girls.

Checklist

Quais são as situações que você vai enfrentar acampado? Tenha uma garrafa d’água para beber e escovar os dentes. De noite não tem luz, então leve a sua para não tropeçar em outras barracas e encontrar coisas dentro da sua. Quais comidas e bebidas não precisam de conservação? Vai fazer frio ou calor? E se chover, como andar na lama? Papel higiênico, remédios? Pense em todas as situações que podem te incomodar, especialmente para não precisar colocar os sapatos sujos novamente momentos antes de pegar no sono ou ter que sair do festival para uma emergência.

Existe uma loja no próprio camping com tudo o que você precisa para acampar confortavelmente, porém acampar pode se tornar uma atividade substancialmente mais cara. Prepare seus itens com tempo e relaxe.

Preços

O Groezrock é um pouco mais barato que outros festivais europeus como Lowlands ou Reading, mas ainda custa bastante. Você precisa comprar fichas e os preços acabam parecendo mais baixos do que são. Alguns dos valores eram:

  • Cerveja pilsen 330ml – 2,50€ (1 ficha)
  • Cervejas especiais 330ml – 2,50 até 3,75€ (1 + ½ ficha)
  • Hambúrguer – 7,50€ (3 fichas)
  • Batata frita – 5€ (2 fichas)
  • Café – 2,50€ (1 ficha)

Para os vegans, havia um catering chamado Just Like Your Mom com uma comida incrível e com preços entre 2,50€ e 7,50€. É permitido levar comidas e bebidas à vontade para o camping, mas (oficialmente) não para a área do festival. Destilados também são permitidos, porém nada em garrafas de vidro. Tinha gente levando caixas com 24 latas de cerveja, carregado para todo o final de semana.

Lockers

Se você realmente não se sente seguro em deixar itens de valor dentro da barraca, foram oferecidos 3 diferentes tipos de lockers. Localizados entre o festival e o camping, eram convenientes pela segurança e distância, pois não era preciso voltar até a barraca para algo importante (dinheiro, comida ou roupa).

Estavam disponíveis em três tamanhos:

  • Grande, 30x30x30cm (12€/dia)
  • Médio, 15x15x30cm (6€/dia)
  • Pequeno, 20x10x30cm (6€/dia)

Era possível trocar entre o médio e o pequeno sem custo. A vantagem do locker menor é que ele tem uma tomada (leve seu carregador de celular). Dava para guardar o telefone e alguns itens a mais.

Merchandising & lojas de bandas

Todo festival tem lojinhas, porém este é um delírio para os fãs de hardcore. Uma área só para o merchandising das bandas, onde alguns integrantes de bandas menos famosas também estavam por lá. Um deles até deixou um aviso bem grande (“WE NEED WEED”) para quem quisesse fazer um escambo.

Além deste espaço, em separado havia uma outra área com distribuidoras oficiais de roupas e discos, incluindo a Kings Road Merch e a Fat Wreck Chords. Um amigo que foi comigo ao festival garantiu que ali era o seu “shopping” favorito para o ano. Os integrantes remanescentes do No Use For a Name estiveram na loja da Fat Wrecks Chords para conversar com fãs. O aviso foi feito na página do Facebook do festival durante o evento.

Loja da Fat Wreck no Groezrock
No Use For a Name na loja da Fat Wreck no Groezrock. Foto cedida por José Luis

Eu havia pensado que adesivos haviam ficado no passado, mas me enganei. Quase todas as lojas chamavam a atenção de clientes com adesivos grátis. Além de roupas, muitos CDs e discos de vinil, tanto nas distribuidoras como nas barracas oficiais das bandas. Vá preparado para conseguir merch exclusivo ou difícil de achar em outros lugares.

Os arredores do festival

Independente do gênero musical, é de se esperar que quem mora em volta de um evento recebendo tanta gente em clima de festa se depare com dias de caos. Entretanto, além da música alta, a poucas esquinas já não se via nada além de placas de indicação do festival. Dentro do evento em si o público nem sempre respeita as lixeiras, embora a limpeza seja constante.

Visão geral

O Groezrock vale tanto a pena quanto outros festivais na Europa. É um pouco mais em conta, tanto no valor das entradas, quanto para comer e beber lá dentro. As sessões de autógrafos amplamente divulgadas, os shows acústicos e o fato de não ser tão grande fazem a experiência mais bacana. Como não há um buzz imenso ao redor do evento, até na porta era possível comprar ingressos. A capacidade é de 40 mil pessoas e neste ano o festival recebeu 33 mil.

Se você for de carro, decore o caminho de volta: são diversos estacionamentos e perdi alguns shows enquanto levava a barraca e mochilas de volta durante a tarde (fui embora logo após o último show), pois não havia sinalização apropriada para a volta. Por conta das fortes chuvas que antecederam ao festival, o estacionamento foi remanejado (e Meerhout é tão pequena que os carros estavam em outro vilarejo). Perdemos alguns shows por esta caminhada.

A segurança nas entradas também era bem fraca. Minha mochila gigante nem foi aberta e era possível ver muita gente entrando com bebidas e vidro até o festival, onde tecnicamente era proibido entrar com qualquer alimento.

Também foi muito interessante ver todo tipo de gente com alguma relação com a cultura punk junta. Haviam famílias, gente de muitos países da Europa (pude escutar alemão, espanhol, italiano, francês, inglês e holandês). Encontrei ainda brasileiros que vieram da América do Sul para o festival!

Se quiser assistir aos shows com algum conforto, vá entre 15-30 minutos antes para o palco. Somente um deles tinha telão e como cada palco é uma tenda, pouco se via de fora. Para 2017, mais telões, por favor!

Em resumo, parabéns ao Groezrock pela grande festa. Se puder, estarei lá novamente em 2017!

 
 
Compartilhar