Ramones - Ramones
 

HEY! HO! Let’s Go! – se você tem o mínimo de contato com o rock and roll, é impossível não ter pelo menos ouvido falar sobre o verdadeiro slogan eternizado pelos Ramones em seus shows.

Pois o chamado da banda aparecia em “Blitzkrieg Bop”, um dos seus maiores hits durante toda a carreira e que abre Ramones, disco de estreia do quarteto de Nova York lançado em 23 de Abril de 1976, há exatos 40 anos.

“Hey Ho! Let’s Go!” foram, inclusive, as primeiras palavras que o mundo ouviu dos Ramones ao apertar play em deu disco de estreia.

Ramones

A banda surgiu em 1974 em Nova York e começou a fazer barulho nas casas de shows underground da cidade, com um som bastante único que misturava influências da época mas levava todas elas a direções inovadoras, principalmente no sentido de criar um estilo de punk rock que é considerado por muitos o nascimento do gênero.

Além de ser um dos primeiros nomes a fazê-lo, se não for o primeiro, nos anos seguintes o grupo o popularizou em todo o planeta de forma surpreendente. Foi com Ramones, o disco de estreia, que tudo começou a se espalhar tanto pelo som quanto pelo visual da banda.

 

Capa do disco

Logo de cara o disco já chamava a atenção pela sua capa, icônica, que se transformou em uma das imagens mais conhecidas do punk rock.

Em Ramones a banda aparece encostada em uma parede de tijolos na cidade de Nova York em clique registrado por Roberta Bayley, da revista Punk, uma das responsáveis pela popularização da banda, da cena, do termo “punk rock” e de casas como o CBGB. Diz a lenda que a gravadora pagou 125 dólares pela capa.

Com calças jeans e jaquetas de couro, a banda criava ali uma identidade que seria celebrada e copiada por jovens no mundo todo e se tornaria parte fundamental de todo o pacote que envolve a banda.

Na contracapa do álbum aparece uma foto produzida pelo designer Arturo Vega, responsável pela criação do logo dos Ramones. Considerado membro não oficial do grupo, ele esteve em praticamente todos os 2.200 shows da carreira da banda.

Ramones - arte

Gravação

O custo do disco, aliás, é um outro ponto interessante. Para fazê-lo a banda recebeu 6.400 dólares e gastou todo o tempo e dinheiro em um período de seis dias.

Foi nessa semana, com direito a um dia de folga, que o grupo finalizou 14 faixas, sete do Lado A e sete do Lado B, em um disco que tem menos de meia hora de duração.

Nele aparecem, além de “Blitzkrieg Bop”, inúmeros sons que se tornaram clássicos da banda, como “Beat On The Brat”, “I Wanna Be Your Boyfriend”, “Now I Wanna Sniff Some Glue”, “53rd & 3rd” e “Havana Affair”.

Ao falar a respeito do processo, que usou técnicas consideradas modernas para a época, mesmo em um período tão curto, o vocalista Joey Ramone celebrou:

Gravar um álbum em uma semana e fazê-lo com 6.400 dólares era algo que ninguém imaginava na época, especialmente para um disco que realmente mudou o mundo. Ele começou o punk rock e a coisa toda – bem como a gente.

Recepção

As resenhas de época do álbum foram, em sua maioria, neutras. Críticos não falavam mal do álbum, mas também não lhe davam a importância que acabou recebendo décadas depois.

Nos anos 90, inclusive, novos textos passaram a ser escritos a respeito de Ramones e a maioria deles dava nota máxima para o álbum, com veículos e profissionais dizendo que o grupo era o mais influente de todos os tempos.

Comercialmente, o disco não foi bem quando saiu, apesar de ser bem vendido até hoje. Seu ápice foi uma posição de número 111 na Billboard 200, e mesmo sendo um marco histórico do rock, o disco não proporcionou grande visibilidade no mainstream para a banda.

O Ramones, inclusive, nunca teve um “Disco Número 1”, sendo uma das grandes bandas da história a jamais ter chegado ao topo da Billboard.

Quando o assunto é legado, porém, o quarteto é campeão. Não apenas iniciou o punk rock e influenciou milhares de nomes na sua terra natal, os Estados Unidos, como também chegou até o Reino Unido e fez com que a cena punk de lá absorvesse seus elementos e começasse a trabalhar de forma diferente.

De Misfits a Black Flag, passando pelo Green Day, até Sex Pistols, Buzzcocks e The Clash, todos foram influenciados pelo som do Ramones.

Contrato

Foram os shows do Ramones que garantiram um contrato com a Sire Records, e a história acontece da seguinte forma: Lisa Robinson, editora da revista Hit Parader viu um show do grupo, escreveu a respeito e entrou em contato com Danny Fields.

O empresário trabalhou com nomes gigantescos como MC5, Iggy And The Stooges, Jim Morrison e The Velvet Underground, e Lisa pediu para que ele se juntasse aos Ramones.

Fields aceitou e convidou o produtor Craig Leon para trabalhar com a banda. Foi ele quem produziu o primeiro álbum e, durante a carreira, trabalhou com nomes como Blondie e Talking Heads. Anos depois ele se voltaria para a música clássica e se juntaria a nomes como Luciano Pavarotti.

Leon, por sua vez, convenceu o presidente da Sire Records, Seymour Stein, a contratar a banda e ele o fez após assistir a um de seus shows.

Foi assim que nasceu Ramones, o disco de estreia homônimo de um dos grupos mais importantes da história do rock and roll, lançado há exatos 40 anos.