A vocalista e líder da banda britânica The Pretenders, Chrissie Hynde, concedeu uma entrevista polêmica ao semanário The Sunday Times, publicada no último domingo (30). A cantora de 63 anos, que atualmente está promovendo o seu livro de memórias Reckless: My Life as a Pretender (que será lançado no próximo dia 8 de Setembro, no Reino Unido), disse se sentir culpada pela violência sexual que sofreu quando ainda tinha 21.

Hynde conta que, na época, saiu com um membro de uma gangue de motoqueiros em Ohio. Ele disse que a levaria para uma festa, mas no lugar disso os dois acabaram em uma casa abandonada, com Chrissie sendo forçada a fazer sexo sob ameaças. “Tecnicamente falando, quando você olha para trás, tudo isso foi culpa minha. E eu assumo a responsabilidade”, afirmou a cantora.

“Você tem que assumir suas responsabilidades. Quer dizer, eu era ingênua. Se você brincar com fogo, vai se queimar. Não é nenhum segredo, não é?”, continuou Chrissie Hynde, que além disso também acredita que, em alguns casos, o estuprador é provocado pela vítima. Na entrevista, a cantora de clássicos como “I’ll Stand By You” disse ainda:

“Você sabe, se você não quer seduzir um estuprador, não use um salto alto que te impeça de fugir dele. Se você está vestindo algo que diz: ‘Venha e me foda’, é melhor você ser boa de pernas… Eu não acho que eu estou dizendo nada polêmico, estou?”

As declarações de Hynde foram mal recebidas por grupos de apoio às vítimas de estupro. Lucy Hastings, chefe de uma dessas organizações, criticou os comentários da vocalista do The Pretenders, em entrevista ao jornal The Guardian. “É fundamental que nada impeça as vítimas de violência sexual de tomarem a dianteira, de irem na polícia ou em organizações independentes para que possam obter a ajuda e apoio que precisam”, disse Hastings. “As vítimas de violência sexual nunca devem sentir que elas eram as responsáveis ​​pelo crime terrível que sofreram, independentemente das circunstâncias ou fatores que possam ter causado isso”, concluiu.