Ouça playlist com clássicos do Rock!  

Dick Dale é um verdadeiro ícone da guitarra.

O músico, que hoje tem 78 anos de idade, ficou conhecido como “o Rei da Surf Guitar”, já que popularizou a surf music através de seus riffs característicos e inesquecíveis com o instrumento de seis cordas.

No último dia 29 de Julho, o jornal Pittsburgh City Paper publicou uma matéria com o cara e a lição que Dale dá é impressionante.

O músico revelou que já teve câncer colorretal duas vezes (e usa uma bolsa para as fezes todo dia por conta disso), sofre com falência dos rins, tem diabetes e um problema sério na coluna que o faz sentir como se “cada vez que eu levantasse, uma espada fosse cravada em minha espinha.”

Ainda assim, com todos esses problemas graves de saúde, Dick Dale se recusa a aposentar a guitarra, e muito em função dessas condições:

Eu não posso parar de excursionar, senão eu vou morrer. Fisicamente e literalmente, vou morrer. Eu tenho que juntar 3 mil dólares por mês para pagar pelos equipamentos médicos que me mantêm vivo. O hospital diz para trocar o patch da bolsa [de fezes] uma vez por semana. Não! Se você não trocar duas vezes por dia, as fezes irão comer seu músculo e fazer com que os nervos apodreçam e fiquem pretos, e a dor é tão grande que você não pode nem encostar no local. Isso aconteceu comigo porque eu estava seguindo as ordens do hospital.

Obviamente eu adoraria estar em casa construindo navios dentro de garrafas e passando o tempo com a minha esposa no Havaí, mas tenho que tocar para salvar a minha vida. Tenho vivido assim nos últimos 15 anos, mas ainda estou aqui abrindo os olhos todas as manhãs.

Dale e sua esposa, Lana, irão embarcar em uma turnê pelos Estados Unidos justamente para que ele possa pagar por essas contas todas, já que como o próprio disse, o seguro de saúde oferece o mínimo em bolsas e patches, e ele tem que pagar pela quantidade extra. Lana, aliás, também tem um problema sério de saúde e sofre por conta de dores diárias, devido à esclerose múltipla.

Na entrevista, o guitarrista ainda fala sobre as dificuldades que tem para tocar toda noite, mas que o faz do mesmo jeito:

Quando estou no palco, a dor pode ser insuportável. Alguém tem que me ajudar no palco porque não consigo fazer isso sozinho. Tem uma parte no show onde eu toco bateria, e meu baterista puxa meu braço e meu roadie empurra minha bunda para que eu chegue até lá. Mas eu chego.

Você pode ler a entrevista na íntegra clicando aqui.

O último disco de estúdio de Dick Dale é Spacial Disorientation, lançado em 2001.

Pulp Fiction

Foi em 1994, quando não apenas apareceu na trilha sonora do filme Pulp Fiction, como também teve sua música tocada na atração, que Dick Dale teve um novo período de grande sucesso após a explosão nos anos 60.

Através da instantaneamente reconhecível “Misirlou”, ele tomou o mundo cult de assalto e tornou-se ícone dos filmes dirigidos por Quentin Tarantino.

 
Compartilhar