Miley Cyrus vem se monstrando uma grande apoiadora da causa LGBT e da luta por direitos humanos. No Video Music Awards (VMA) do ano passado, ao ganhar um prêmio com o clipe de “Wrecking Ball”, a cantora enviou um jovem sem teto para recebê-lo em seu lugar, chamando atenção para o grande número de desabrigados nos Estados Unidos.

Recentemente, ela abriu uma fundação chamada Happy Hippie (veja aqui), que tem como objetivo arrecadar fundos para “pessoas desabrigadas, jovens gays e populações em situação de vulnerabilidade”. Ela se uniu, inclusive, à Joan Jett e à vocalista trans do Against Me!, Laura Jane Grace, para o lançamento de alguns vídeos em prol da causa LGBT.

A última aposta de Miley foi uma parceria de sua fundação com o Instagram, lançando a campanha #Instapride, onde são compartilhadas histórias de pessoas transexuais, transgêneros e travestis, através de fotografias. O projeto acontece como um protesto por conta da morte de Leelah Alcorn, uma mulher transgênero de 17 anos que cometeu suicídio em dezembro do ano passado após enfrentar a intolerância da família.

Uma das participantes é Gigi Gorgeous (foto abaixo).

Fiquei fascinada por ela, porque ela fez vídeos antes da transição e, em seguida, foi MIA por um tempo e, na sequencia, voltou à transição como Gigi Gorgeous. Foi incrível ver alguém tão confiante. Isso é o que eu acho que começa a partir dela, e não é só porque ela é linda. Ela tem uma confiança que vem de dentro. Ela era linda antes de ser Gigi. Ela sempre teve a Gigi Gorgeous nela. (Miley Cyrus)

“A única coisa que eu sempre quis foi transmitir que apenas está tudo bem, você não tem que ser uma pessoa “perfeita”, normal como a sociedade acha”, disse Gigi. “Eu acho que todo mundo está ouvindo essas histórias e é tão inspirador. Todo mundo está se tornando mais aberto e é uma coisa muito bonita.”