Em 2003 o Metallica lançou seu oitavo disco de estúdio, St. Anger, e deixou muitos fãs desapontados.

O álbum era o primeiro sem o baixista Jason Newsted e ficou marcado por uma produção mais crua que o habitual e, principalmente, por não ter solos de guitarra.

As críticas foram das mais variadas, com muita gente entendendo que o grupo estava apontando para uma nova direção, enquanto os fãs mais tradicionais criticaram bastante o álbum, dizendo que era um dos pontos baixos da carreira do grupo.

O responsável pela produção do álbum foi Bob Rock, que também gravou os baixos do álbum no lugar de Newsted, e de acordo com ele, dois guitarristas de peso são fãs de St. Anger.

Ao participar do podcast “Talk Is Jericho”, Rock disse que conhece Jimmy Page e que quando os dois se encontraram no café da manhã de um hotel, a lenda do Led Zeppelin o abraçou e disse “eu amo o St. Anger“.

Quem também fez elogios ao álbum foi Jack White, que encontrou Bob Rock na apresentação do documentário “It Might Get Loud”:

Eu estava na estreia e o Jack White chegou. Ele disse “Hey, sou o Jack White.” E eu disse, “Eu sei.” Ele diz, “St. Anger é meu álbum favorito do Metallica.”

Ao falar do álbum, Rock admite que ele é um tanto quanto esquisito, mas diz que é um retrato fiel do que acontecia com a banda na época.

Sobre a sonoridade da bateria, muito criticada, ele diz que mudou algumas coisas e que foi atrás do primeiro kit de bateria com o qual Lars Ulrich havia tocado na vida, em Oakland, e o deixou no estúdio. Um dia Lars tocou e disse “É isso.”

Você pode encontrar mais passagens da entrevista, em Inglês, clicando aqui.

Releitura

Há algum tempo, músicos regravaram o disco do Metallica na íntegra, e disponibilizaram áudio e vídeo no YouTube.

Você pode ver e ouvir clicando aqui.