Ouça playlist com clássicos do Rock!  

Bill Ward, baterista original do Black Sabbath, utilizou sua conta no Facebook para falar pela primeira vez desde 2012 a respeito de seu relacionamento com a banda.

Ward foi chamado para gravar o mais recente álbum do Sabbath, 13, mas acabou ficando de fora do disco por motivos que nunca foram muito bem explicados.

Do seu lado, teoricamente, a reclamação seria por questões contratuais, já Ozzy Osbourne, vocalista da banda, disse que Ward não tinha mais condições de tocar bateria e chegou a revelar que o músico colava adesivos no instrumento para se lembrar de como tocar certas canções e que ele estaria acima do peso.

Dois anos depois do lançamento de 13, Ozzy disse que a banda quer gravar um último disco e excursionar para divulgá-lo, e que gostaria de ter Ward nas baquetas.

Hoje, então o músico publicou um longo texto e falou a respeito de vários desses aspectos:

Queridos amigos,

Eu espero que todos estejam bem. Não fiz nenhuma declaração pública sobre minha relação com o Black Sabbath desde Fevereiro de 2012. Hoje, quero falar sobre meu relacionamento nessa declaração oficial. Obrigado.

Nunca terminei meu relacionamento com o Black Sabbath, entretanto, desde 2012, as declarações erradas sobre mim como pessoa e músico fizeram com que eu me fechasse e principalmente me desligasse emocionalmente e espiritualmente do Ozzy. Sua retórica, acima de tudo, trouxe os piores sentimentos para mim. As informações equivocadas e contínuas sobre mim estabeleceram uma necessidade da minha parte de lidar com esses problemas. E agora, com o lançamento iminente de um novo disco da Bill Ward Band e os rumores sobre novos projetos do Sabbath, sinto que é apropriado falar de forma verdadeira a respeito.

Há sempre especulação sobre um retorno verdadeiro do lineup original do Sabbath para a próxima turnê ou disco. Com um coração pesado, eu tenho que dizer que não participarei de nenhuma atividade até que um “acerto dos erros” a respeito das palavras ditas contra mim seja feito. Eu devo admitir que não tenho quase nenhuma expectativa de que isso aconteça, mas na ordem das primeiras coisas primeiro, tenho em mente uma responsabilização de todas as declarações de Ozzy que eu senti que foram falsas. Queria que Ozzy corrigisse suas opiniões e exageros. Gostaria que ele fosse direto sobre seus pontos de vista falsos. E como eu fui castigado em público, gostaria que ele se desculpasse publicamente, com suas próprias palavras, e não através de um representante. Não gostaria de continuar com ele sem a resolução desse dilema. Não acho que relacionamentos fortes possam ser mantidos apenas com a sujeira sendo jogada para baixo do tapete ou com uma desculpa falsa. Não funciona assim. Corrigir os erros funciona e é isso que eu quero para um dia me tornar amigo dele novamente.

Eu iria querer um contrato “assinável” antes de dar um passo em direção ao caminho que pode nos levar a tocarmos juntos novamente. Quero um contrato que eu possa aprovar. Essa é a minha verdade. Meu ponto de vista. Eu só ouvi insultos e notícias falsas e se como banda ou indivíduos eles quiserem continuar da mesma forma, então qualquer noção de uma reunião do lineup original do Black Sabbath continuará distante.

Resumindo, depende deles. Eu sinto muita falta de tocar com eles, e deles como pessoas, parti meu coração com a perda do que achei que éramos. E agora você sabe o meu ponto de vista.

Você pode ler a declaração na íntegra clicando aqui.

Futuro do Black Sabbath

Com Ward ou sem, é possível que os planos de um último disco e última turnê nem aconteçam.

Recentemente Ozzy revelou que Tony Iommi, que luta contra um câncer, “não está bem”, e a banda cancelou sua participação no Ozzfest Japan, o que seria a última performance da carreira.

 
Compartilhar