baleia

Baleia é uma das bandas mais criativas e inventivas do Rio de Janeiro e nesse sábado eles vão ser uma das primeiras bandas a subir no palco do LollaBR. Conversamos com o vocalista Gabriel Vaz sobre as expectativas da banda para o festival e sobre planos futuros!

Amanhã eles sobem ao palco às 12h! Indicamos muito!

TMDQA: Vocês são uma das primeiras atrações do festival e vão disputar a atenção das pessoas com a própria chegada ao festival. Vocês estão preparando algo diferente para esse show?

Gabriel: O que mais desejamos é fazer o melhor show possível dentro do tempo corrido que um festival desse tamanho requer. Acho que, no nosso caso, o melhor jeito de atrair a atenção das pessoas é o nosso próprio som. De resto, é torcer que elas prefiram assistir a gente do que procurar onde comprar cerveja. (Risos)

TMDQA: Eu vi o show de vocês no lançamento do disco, no Solar de Botafogo, no fim de 2013. O show lá já era bem impressionante, mostrava uma maturidade incrível na banda. O que mudou desde aquele show para agora? A estrada mexeu na dinâmica do show?

Gabriel: A estrada mexeu em bastante coisa. Estamos menos “verdes”, nos conhecemos melhor, descobrimos o que funciona e o que não funciona no palco, já passamos por uma quantidade considerável de, digamos, desafios (a palavra que eu usaria seria menos educada) desde o primeiro show. Algumas músicas estão diferentes, também, como se amadurecessem junto com a gente.

TMDQA: O show de vocês é bem intimista e eu adorei vê-lo no teatro. Vocês já tocaram em um palco tão grande quanto esse do Lolla? Como vocês pensam em transpor o clima do disco para o festival?

Gabriel: Acho que nunca tocamos num palco tão grande, mas já passamos por outros festivais e outras casas de show maiores e temos percebido que o nosso som funciona muito bem nesse contexto. Claro, temos algumas músicas que tirariam melhor proveito de um clima mais intimista, mas tem várias que são bem expansivas e energéticas. As músicas do disco adquiriram uma roupagem bem mais intensa quando as traduzimos nas versões ao vivo. E, claro, sabemos que em festivais temos que prezar pelas que funcionam melhor num ambiente que não é nada íntimo.

TMDQA: Na primeira formação da banda, vocês se destacavam por covers. Agora, vocês fizeram um ótimo no último EP. Criar essas versões faz parte do processo criativo de vocês?

Gabriel: Gostamos muito de fazer esses covers porque é um tipo diferente e divertido de fazer música. É muito legal pegar essas músicas de outros artistas e desmontá-las e remontá-las e criar novas perspectivas em cima de uma mesma canção. Mas a gente não tem uma regra e não é algo que faz parte do cotidiano da banda. Geralmente, a gente espera uma oportunidade ou um convite surgir. De qualquer forma, quando elas acontecem, tendem a ser bem inspiradoras pra gente e sempre influenciam nosso trabalho autoral.

TMDQA: Quais são os planos da Baleia para 2015? Novo disco vindo?

Gabriel: Temos um novo disco vindo! Nosso segundo filho deve nascer ainda esse ano. Esse é nosso maior foco, agora. Ainda está em formação, mas estamos muito entusiasmados com o que isso tudo pode virar. Depois do Lollapalooza, vamos entrar de cabeça no processo de criação e gravação e eu espero sair dele com algum cabelo ainda. (Risos)

(LEIA: Os 5 shows do Lollapalooza Brasil mais esperados por Felipe Ventura, da banda Baleia)