TMDQA! entrevista: Talude
 

Nós do TMDQA! somos entusiastas da tão comentada cena independente do Rio Grande do Norte e viemos apresentar a Talude, um das promessas provenientes do estado.

A banda é formada por Felipe Beniz (guitarra), João Victor Moura (baixo), Jônatas Barbalho (bateria) e Victor Romero (guitarra e voz) e já apareceu por aqui quando seu single foi lançado. Aproveitando que seu primeiro clipe acabou de sair, conversamos com os integrantes do grupo para saber quais são os seus próximos passos.

TMDQA!: Vocês acabaram de lançar seu primeiro clipe e ele já mostra o esmero da banda com o seu material. Como surgiu a ideia do vídeo de “Saturday Night”?

A ideia surgiu no meio de 2013 quando fomos tirar umas fotos no local que futuramente virou cenário principal do clipe. Já tínhamos uma história em mente, aí unimos tudo isso e começamos realmente a escrever o roteiro. No começo de 2014 o clipe começou a ser gravado pelo Estúdio 840, produtora de vídeo experimental da qual faço parte. Contamos com ajuda de vários colaboradores que abraçaram e ideia, e de forma totalmente independente, lançamos. A repercussão não poderia ter sido mais positiva, só temos a agradecer por tudo isso.

TMDQA!: E como surgiu a banda? Qual é a origem do nome?

 É uma história bem engraçada, pois a ideia do nome surgiu bem antes que a própria banda! Eu vi o nome num livro anos atrás e pensei que essa palavra tinha uma sonoridade muito bacana, era bem simples mas ao mesmo tempo bem diferente. (É um termo da geologia e da arquitetura e significa declive, descida). Eu não tocava em nenhuma banda ou projeto musical na época, mas pensei que seria legal ter algo com esse nome.

Então, em 2012 eu criei um soundcloud com esse nome e passei a postar uns sons que eu fazia em casa, de forma bem despretensiosa mesmo. Um dia, Jônatas (com quem eu já tinha amizade há alguns anos) ouviu e gostou muito; aí ele deu a ideia de formarmos uma banda para tocar esses sons e levá-los pra frente. Chamei uns amigos meus (Paulo Henrique e André Lira) com gosto musical parecido e então formamos a banda, no final de 2012. Nessa primeira formação, nós não éramos muito ativos: fizemos apenas uns 3 shows em pouco mais de 1 ano. Aí, agora, no começo de 2014, mudamos de formação, André e Henrique foram se dedicar a outros projetos e chamamos Felipe e João para entrar no lugar.

TMDQA!: Quais são os passos para os próximos meses da Talude? Há um EP ou disco em vista?

Planejamos lançar um EP com 5 ou 6 músicas no primeiro semestre. No momento estamos acertando os últimos detalhes para em Janeiro já começarmos a gravar.

TMDQA!: O esmero que falei anteriormente também se aplica às suas músicas, o som que vocês produzem é bastante rebuscado. Quais são as suas influências?

Cada integrante tem seus próprios expoentes, e se identifica com uma escola musical. Vik com o shoegaze, Jônatas com o progressivo, Beniz com o rock alternativo e João com o manguebeat. Mas apesar das diferentes influências, todos têm em sua playlist artistas como John Frusciante, Warpaint e Queens Of The Stone Age.

TMDQA!: A cena independente do Rio grande do Norte é conhecida no Brasil todo. Mais do que isso, é uma das mais prolíficas do país. Estar inserido nunca cena assim traz mais pressão ou inspiração?

Muito mais inspiração, com certeza. A cena Potiguar está ganhando cada vez destaque no cenário nacional. Nos sentimos honrados em dividir o palco com bandas como Mahmed e Son Of A Witch, que são referências para nós. Há bandas daqui que ganharam repercussão nacional, há bandas novas surgindo e tocando todo dia, há um público interessado em ouvir novos sons. Saber que existe um pessoal bem interessado no que se faz musicalmente no estado é um estímulo para nós todos.

TMDQA!: Para encerrar, vocês tem mais discos que amigos?

Bom, temos mais álbuns no spotify do que amigos no facebook… Ainda estamos esperando um streaming de amigos (Risos).