40 – Vários Artistas

Goma-laca: Afrobrasilidades em 78 RPM

goma-laca-afrobrasilidades-em-78-rpm

O Goma-laca é mais que um álbum fantástico presente nessa lista. É um registro histórico, pra guardar pra posteridade na coleção.

Músicos ótimos reunidos em estúdio para gravar ao vivo canções de discos raros do início do século XX e que criam um retrato forte da cultura negra, dos quilombos até a modernização das cidades. Acompanhado por um encarte informativo e interessantíssimo, o álbum conta com nomes de peso como Juçara Marçal, Lucas Santanna, Karina Buhr e Russo Passopusso, que canta “Batuque”, a melhor música do disco.

 

39 – Holger

Holger

holger-capa-holger-2014

Com influências que vão desde New Order a Walter Franco, passando por The Clash e Tortoise, os paulistanos do Holger lançaram um surpreendente álbum homônimo em 2014, o terceiro da carreira.

Descrito como “retratos do que vivemos em determinado momento e lugar”, o disco soa como uma auto-afirmação em fase de redescoberta, já que um dos integrantes, o baterista Arthur, saiu da banda recentemente.

 

38 – Huey

Ace

huey-ace

Os paulistanos do Huey foram buscar inspiração direto na fonte para gravar seu disco de estreia. O quinteto foi até o Infrasonic Sound Studio, em Los Angeles, onde gravou com Aaron Harris, produtor e baterista do Isis, banda clássica do post-metal americano.

O resultado foi um som maciço capaz de rachar qualquer alto falante, com guitarras urgentes, riffs nervosos e grooves típicos do stoner rock muito bem executados.

 

37 – Muñoz

Nebula

Muñoz lança seu primeiro disco de estúdio

Os irmãos Mauro e Samuel Fontoura mandam na cena musical de rock do Triângulo Mineiro.

Com o Muñoz a dupla provou através do EP autointitulado de 2013 que seu stoner rock de vocais rasgados com influências do blues e por vezes psicodélico possui muita potência. Nebula (primeiro disco de estúdio) manteve a mesma pegada mas colocou o duo preparado para alçar voos mais altos, o que já vem acontecendo tendo em vista os compromissos crescentes ao redor do Brasil.

 

36 – Manual

(R)Existo

Manual lança álbum de estreia

O Manual, grupo formado por nomes já experientes do hardcore brasileiro, mostrou que consegue mandar muito bem. (R)Existo mesclou as influências de seus integrantes em um trabalho forte, coeso e cheio de sentimento, assim como manda o estilo. Música de qualidade por quem sabe fazer.

 

35 – Fusile

My Brazilian Voodoo

fusile-my-brazilian-voodoo

Os mineiros do Fusile espantaram com muito rock and roll a ‘’maldição do segundo disco’’.

O som dos caras permanece baseado no ska rock, mas, dessa vez, o diferencial vem por conta das composições também em espanhol e português, sem deixar de lado o bom humor já característico do grupo.

 

34 – Aeroplano

Ditadura da Felicidade

Aeroplano: Ouça na íntegra o novo disco da banda

Na leva de ótimas bandas paraenses, quem merece destaque é a Aeroplano. Ditadura da Felicidade é o segundo disco de sua carreira e fala de temas como a atual ostentação do bem-estar, drogas que vêm com receita médica e os novos conceitos de família. Um exemplo de alinhamento com o contexto social em que está inserido.

Além disso, o álbum ainda tem um trabalho gráfico deslumbrante criado pela ilustradora e designer Talitha Lobato e uma esmerada produção e masterização. Vale muito o download.

 

33 – Pato Fu

Não Pare Pra Pensar

pato-fu-nao-pare-pra-pensar-capa

Demorou, mas eles voltaram.

Quando todos pensaram que não dava mais, e que Takai ia mesmo dar sequencia somente à sua carreira solo, o anúncio de que o Pato Fu voltaria neste ano fez o coração de milhares de fãs se animar de novo.

E voltaram com “Não Pare Pra Pensar”, uma das mais reflexivas músicas do disco que leva o mesmo nome. “You Have To Outgrow Rock’n’Roll”, com John Ulhoa cantando, “Ninguém Mexe com o Diabo”, que remete à “Deus” e a “Prato do Dia”, relembrando clássicos da banda, “Pra Qualquer Bicho”… enfim, esse disco ainda vai fazer parte da sua coleção, então preste atenção nele.

 

32 – Pitty

SETEVIDAS

pitty-setevidas-capa

Depois de um período com o projeto folk Agridoce, a cantora Pitty resolveu que voltaria a gravar utilizando seu próprio nome, com a sonoridade mais pesada e roqueira que caracterizou sua carreira.

Com letras que têm a sua cara e um single homônimo que veio acompanhado de um dos melhores clipes da carreira, Pitty mostrou que voltou com tudo, disposta a mostrar que sua energia está longe de acabar.

 

31 – Rômulo Fróes

Barulho Feio

romulo-froes-barulho-feio

Rômulo Fróes é um dos grandes nomes da música brasileira e em 2011 foi parar em várias listas de melhores álbuns do ano com Um Labirinto em Cada Pé.

De lá pra cá, colaborou com nomes como Rodrigo Campos, Metá Metá e Juçara Marçal, até chegar ao seu novo disco, Barulho Feio.

No álbum estão provocações, experimentações, e áudio gravado durante um passeio de Fróes pelo centro de São Paulo, dando ao resultado final um retrato fiel do ambiente em que o músico se inspirou para gravar o disco.

 
Nosso site utiliza de cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Consulte nossa Política.