Andreas Kisser (Sepultura) substituirá guitarrista do Anthrax
 

Andreas Kisser ganha homenagem na Beatles Week

Em entrevista recente Andreas Kisser foi questionado sobre como a mais recente adição ao Sepultura, o baterista Eloy Casagrande, vem afetando a sonoridade da banda.

A música do Sepultura, é muito exigente com bateria. Igor Cavalera, tipo, o primeiro ‘monstro’. Ele estabeleceu algumas normas, e, claro, Jean Dolabella, (o substituto de Igor) e Eloy são grandes fãs do que Igor fez, e eles o respeitam muito. E o Eloy respeita o trabalho do Jean tanto quanto. Mas eu acho que o  Eloy é o próximo nível , cara, é outra coisa. Talvez ele não seja humano, eu acho. [risos] É apenas insano, não importa quão experiente ou quão grande é o baterista até, quando o veem tocar, eles dizem “eu tenho que voltar para a escola.”

Eloy coloca um sentimento muito apaixonado, algo muito poderoso. Eu acho que ele nos proporciona algo que Igor Jean não tinham. Porque o Igor não teve aulas para aprender bateria, acabou aprendendo tudo sozinho, observando e tocando com seu irmão, tocando muito. E Jean, por outro lado, é um baterista que foi estudar música em Los Angeles, ele é um cara que pode ler música e ele é um professor de música e outras coisas. Já o Eloy é tipo um animal, apresenta esse sentimento livre em tocar bateria, mas sem perder a técnica. Ele pode ler bem, ele pode organizar qualquer tipo de coisa. Então eu acho que ele é o baterista perfeito para o Sepultura, ele realmente se encaixou como uma luva com a gente, ele está funcionando muito bem.  

O Sepultura está comemorando 30 anos de carreira, eu  estou com 46 anos. Mas ele realmente trouxe essa motivação de estar no palco e nos fazer querer revisitar nosso material antigo, e principalmente, tocar músicas novas. 

Eloy Casagrande assumiu as baquetas do Sepultura em 2011, substituindo Jean Dollabela. Aos 23 é considerado um verdadeiro prodígio da bateria. Em 2006 venceu o concurso Modern Drummer na categoria Undiscovered Drummer.

Fonte: Blabbermouth