Leo Fressato canta Novos Baianos

Desde a explosão lírica do álbum Acabou Chorare, os Novos Baianos viraram sinônimo de uma renovação musical constante.  O sentimento de ouvir algo novo nas canções de Pepeu, Morais, Paulinho, Baby e Galvão vai ser renovado em um tributo organizado pelo site Jardim da MPB com participação de 28 músicos de todo Brasil.

O projeto, que será dividido em dois discos intitulados Tinindo e Trincando, terá 28 faixas que contemplam álbuns como É Ferro na Boneca (1970), Acabou Chorare (1972), Novos Baianos F.C (1973), Vamos Pro Mundo (1974), Praga de Baiano (1977) e Farol da Barra (1978). Entre os artistas participantes, estão nomes que transformaram a cena independente em um novo mercado e a versão de um deles está sendo lançada hoje, com exclusividade, no TMDQA!. É “A menina dança”, uma das canções mais emblemáticas do grupo, na voz de Leo Fressato!

“Tive a sorte de escolher entre minhas músicas favoritas.”, conta Fressato. “A escolha de ‘A Menina Dança’ se deu porque achei que poderia ser desafiador. Primeiro porque é uma canção cantada pela Baby, o que já criaria uma dificuldade. Segundo porque não sou um músico com muito ‘suingue’ ao contrário da canção. Então a deixei no tom mais alto que conseguisse cantar pra que minha voz, às vezes, se confundisse com uma voz feminina.”

Com forte influência de música latina, a versão conta com a participação de Omelô, um músico da Martinica. “A Menina Dança, tem em seus acordes, algo que remete à música do Caribe. Então resolvemos juntos, eu, Omelô e Jérôme Gras, trazer essa referência de maneira mais forte. Com isso, Omelô homenageou também seu pai que é um grande músico martinicano fazendo a colagem de uma letra deste, em francês crioulo, na canção.”, explica Leo.

“Há tantos tributos legais por aí. Acho que sempre vale a pena homenagear os grandes artistas que fizeram da nossa música o que ela é hoje: uma mistura tão inigualável e rica. E, para gente, que é apaixonado por música brasileira, nada mais representativo que esse coletivo chamado Novos Baianos. Tão coletivo quanto a gente é. “, conta Carol  Tavares, uma das pessoas responsáveis pelo projeto.

“Participar de tributos é sempre muito divertido e muito assustador. Divertido porque é a rara oportunidade de relermos uma canção já muito conhecida do grande público. É divertido também por ser é delicioso cantar uma canção que faz parte da sua educação musical. Adorei participar deste porque os Novos Baianos são uma das minhas bandas favoritas no país.”, conclui Fressato.

Ouça abaixo a versão do cantor, baixe a música aqui e saiba mais sobre o projeto em http://www.ojardimeletrico.com.br/