Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)
Fotos por Pipa Dantas e Victor Ciríaco

Não há dúvidas que o MADA é um dos festivais mais importantes do nordeste, quiça do país inteiro. Nesses 15 anos de história já apresentou novos nomes e marcou a capital potiguar com alguns shows antológicos como o da Pitty, Cansei de Ser Sexy, The Walkmen, Pato Fu, Seu Jorge, Criolo, Titãs e muitos outros. Mesmo.

Na edição de 2014 o festival saiu mais uma vez de seu berço na Ribeira e aconteceu no pátio de eventos do Estádio Arena das Dunas e isso foi muito importante para o seu pleno sucesso. Uma estrutura admirável, acesso fácil tanto para quem ia de transporte público quanto de carro particular, praça de táxi na saída do evento (sim! Isso é importantíssimo, acredite), entrada rápida apesar da longa fila e música excelente, que no final é o que faz tudo valer a pena.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Talvez por um pequeno atraso na abertura dos portões, as primeiras bandas se favoreceram e já conseguiram tocar para um público considerável. Depois do DJ Magão e dos pernambucanos do Na Mente, foi a vez do Kung Fu Johnny. O trio vem da prolífica cena de rock de cidade, tem um EP chamado Too Drunk To Think e está agora preparando seu primeiro álbum. Tocando as músicas do registro e outras, os meninos mostram que já são rodados no palco e sabem bem como dominá-lo, mesmo que seja em um grande festival.

Depois foi a vez dos também potiguares da The Bop Hounds, que olham pro passado pra construir seu futuro. A banda de rockabilly é uma daquelas gratas surpresas que você tem em festivais (ou vocês não acham maravilhoso quando descobrem assim um grupo que pode se tornar seu favorito por um tempinho?). O tacirtuno porém muitíssimo competente vocalista Dastaev fez todo o público ensaiar passos com suas botas imaginárias e até inspirou um jovenzinho na plateia a gritar “toca Chuck Berry!”, o que é sempre um ótimo sinal.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Apenas confirmando sua fama de shows históricos, o MADA levou em seguida para seu palco duas gerações da black music nacional: Gilber T & Banda e Gerson King Combo. O Soul e funk brasileiro dos anos 70 e 90 se misturaram no Arena das Dunas e não teve uma pessoa que tenha ficado parada com o swing e musicalidade da mistura. Essa é uma daqueles encontros que enquanto estamos presenciando sabemos que vai ser falado durante muito tempo. A troca de influências e experiências resultou numa confluência perfeita. Sorte nossa.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Di Melo é mais um dos clássicos que o MADA traz à Natal. O músico fez sucesso cantando soul music nos anos 70 e parecia radiante com esse reconhecimento contemporâneo. No festival, não tinha uma pessoa que passasse por ele que não ouvisse um elogio, uma brincadeira amistosa e recebesse um sorriso gentil. Humildade e talento andando de mãos dadas em um show maravilhoso e que ainda contou com a participação de Emicida no clássico “Kilariô”.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Era uma grande responsabilidade comandar o público após a apresentação incrível de Di Melo, mas a Banda do Mar não decepcionou em nada. Provando que boa parte da audiência (quase adolescente, em sua grande maioria) estava ali pra ver o novo projeto de Mallu Magalhães e Marcelo Camelo, eles só tinham que chutar para o gol. Com repertório formado por faixas do primeiro cd da Banda, músicas da carreira solo dos dois líderes do grupo e dos Los Hermanos, todo mundo cantava tudo. Sim, era impressionante. O próprio Camelo chegou a ressaltar que o disco tinha saído há pouquíssimo tempo e mesmo assim a voz uníssona da plateia estava sempre com eles.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Apesar do tempo que já passou, não dá pra negar a relevância que o grupo que revelou Camelo ainda tem. Quando todos os outros integrantes deixaram o palco e só ele e sua guitarra nos presentearam com “Além do que se vê” aconteceu uma espécie de missa indie daquelas que só o Arcade Fire consegue nos proporcionar. Já com a Mallu a coisa é diferente. É fofa e meiga, assim como a cantora. “Olha só, moreno”, “Sambinha Bom” e “Velha e Louca” arrancaram algumas lágrimas (umas tímidas, outras nem tanto) do público. Coisa sempre bonita de se ver.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Pouco antes de finalizar com “Muitos Chocolates”, vem o grande momento do show: “Janta”, uma espécie de hino do Partido dos Corações Partidos. Mais lágrimas, mais risos e mais emoções que a arte só consegue inspirar quando é honesta.

O show de Emicida é um daqueles que não se vê sempre. Entrega total de todos os lados: artista, banda e público, que provou por a mais b que também estava ali para ver o rapper. Os coros em apoio à presidenta Dilma Rousseff puxados pela plateia foram destaque nos intervalos entre as musicas.

Festival MADA 2014: primeiro dia (24/10/14)

Faixas como “E.m.i.c.i.d.a”, “BANG!”, “Gueto” e o cover de “No Flow”, do Mc Guimê, com público sempre cantando em uníssono provou que esse show era muito esperado na cidade. O verdadeiro ápice veio quando ele cantou o hit “Hoje Cedo” e fez questão de ressaltar que “isso aqui é igreja, religião é isso aqui” e comandar o culto à rua, que tanto é necessário para todos nós.

Finalizando não só seu show como a excelente primeira noite do MADA, Emicida fez sua versão do sempre emocionante “Rap do Silva”, do Mc Marcinho, em seguida “Levanta e Anda” e por fim “Trem das Onze”, dos Demônios da Garoa. Uma bela maneira de se terminar uma linda noite. Vida longa à música, vida longa ao rap nacional, vida longa ao MADA!

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!