Textos de William Galvão, Marcella Miceli e Guilherme Guedes

Dedicada ao hip hop e suas vertentes, a terceira noite do Converse Rubber Tracks aconteceu na sexta-feira, 1º de Agosto, no Cine Joia, em São Paulo, e lotou a casa de fãs do estilo, tanto que uma fila enorme de pessoas ficou de fora na esperança de que alguém saísse para dar lugar a mais um. A euforia dos fãs para entrar na casa foi tanta que um deles resolveu invadir o local pelo telhado e derrubou uma parte do revestimento do forro em cima da DJ Typá, que acompanha o rapper Don L.

Entre as atrações, o evento abriu espaço para o rapper paulista Nego E e o cearense radicado em São Paulo Don L, além da promessa da cena eletrônica mundial Chet Faker, que acaba de lançar seu primeiro álbum de estúdio, Built on Glass, e o veterano do rap Busta Rhymes.

Essa é a segunda edição do evento e acontece até domingo. Mundialmente conhecido, o Rubber Tracks nasceu da vontade da Converse de retribuir à comunidade artística o carinho que sempre teve. Para isso, a marca oferece também aos artistas cujos meios não lhes permitiriam gravar profissionalmente ou se apresentar diante de grandes multidões, a oportunidade de fazê-lo. Desde que o estúdio abriu no Brooklyn, Nova York, em julho de 2011, o Converse Rubber Tracks forneceu a milhares de artistas emergentes a oportunidade de gravar músicas sem nenhum custo. O CRT tornou-se um programa global nos últimos três anos, quando estabeleceu estúdios Pop-Up em cidades-chave na América do Norte, Europa e Ásia.

No Brasil, as gravações acontecem no lendário Family Mob Studios, que esse ano, deu as boas vindas a bandas como Testemole, Godasadog, Clara Araújo Cornejo, Statues On Fire, Marcello Perdido, Bárbara Ohana, O Inimigo, Negro E, Alaska e Terno Rei.