eddie-vedder-discurso

O Pearl Jam tocou na Inglaterra na última sexta-feira e o vocalista da banda, Eddie Vedder, aproveitou para fazer um discurso contra a violência e as guerras, o que acabou gerando reações das mais diversas.

Enquanto o público e boa parte dos seguidores da banda apoiou seu ponto de vista, Israelenses entenderam que o pronunciamento foi direcionado a Israel e que seria um ataque direto contra o país, o que gerou algumas ações.

Um radialista local, Ben Red, que estava coordenando uma campanha para levar a banda ao país, chegou a dizer que “a verdadeira face” de Vedder foi revelada e que ele não é mais bem vindo por lá:

Vou apagar a página do Facebook destinada a trazer a banda para cá, mas antes irei expor quem você realmente é.

Você pode ler o discurso de Vedder logo abaixo:

Que merda? Que merda? Podemos ter tantas pessoas vivendo em paz. Temos tecnologia. Podemos alcançar nossos amigos. Sabemos no que eles estão pensando antes deles estarem pensando. Os anunciantes sabem no que estamos pensando antes de estarmos pensando. Temos tecnologia – tudo isso nas nossas mãos. Ao mesmo tempo que algo tão positivo está acontecendo, na mesma merda de tempo, não tão longe, eles estão lançando merdas de bombas uns nos outros. Que bosta de merda?

Eu juro por Deus, há pessoas por aí que estão procurando motivos para matar! Eles estão procurando por um motivo para invadir fronteiras e roubar terras que não são delas. Elas deveriam sair, e se preocupar com a merda da sua própria vida. Todos querem a mesma coisa: ter nossas crianças, comer, procriar, pintar, fazer arte, ouvir música, foder mais um pouco, fazer outro bebê, comer, trabalhar, comer, amar, amar, amar, amar, todos somos a mesma coisa! Então por que as pessoas estão em guerra? Pare com essa merda, agora! Agora! Agora! Não queremos lhes dar nosso dinheiro. Não queremos lhes dar nossos impostos para jogar bombas em crianças! Agora! Chega! Agora!

Você pode ver no vídeo abaixo que depois do discurso Vedder se ajoelhou e, junto com a plateia, cantou “War” de Edwin Starr.

Fonte: Blabbermouth